Neste texto, respondo a algumas dúvidas comuns sobre o processo de transição da escola para a faculdade (especialmente de psicologia). 

Olá amigos!

Este é um texto pessoal, quer dizer, gostaria de compartilhar a minha experiência de transição da esola, do segundo grau ou Ensino Médio, para o Ensino Superior, para a faculdade de psicologia.

Bem, confesso que nunca fui um aluno exemplar. Minhas notas oscilavam um pouco acima da média, um pouco acima do necessário para passar de ano e as notas máximas (ou quase) em algumas matérias como redação, português, literatura, história. Por gostar tanto destas disciplinas fiquei um bom tempo pensando de fazer as faculdades de humanas voltadas para dar aulas principalmente: letras, história, filosofia, pedagogia e, também, jornalismo e psicologia.

É engraçado olhar para trás e lembrar como era a minha vida há 14, 13 anos. Uma preocupação que tive no terceiro ano foi com faltas. Muitas vezes preferia faltar e ler um livro do que assistir a uma matéria que não me interessava muito – como física – ou uma matéria que já dominava – como inglês.

Li muito desde pequeno e, talvez por isso, meus professores acreditavam que eu passaria no vestibular, embora não fosse um dos alunos mais presentes. Pode não parecer mas uma formação humanística, em meio aos livros, te permite ter um conhecimento muito detalhado para responder questões.

Em minha época, o Enem ainda estava começando, tanto que tive que ir a Três Corações (a cidade do Pelé) porque aqui em São Lourenço a prova não era aplicada. Digo que uma formação ampla e generalista – lendo muito de cada coisa – te ajuda nas provas por um exemplo banal mas que recordo até hoje. Uma das questões do Enem era de física e história, sobre Copérnico. As duas respostas possíveis eram sobre heliocentrismo e teocentrismo. Acertei porque me lembrei que Hélio é o Deus grego do Sol…

Quando contei isso para um colega (ele não acertou mesmo sendo uma questão fácil) ele não acreditou no modo como eu tinha resolvido: pela mitologia grega!

E assim foi. O ausente aluno foi um dos poucos a entrar em uma Universidade Federal de primeira. Mesmo os mais estudiosos – estudei em uma escola particular da rede Objetivo – não entraram e eu entrei. Fiquei em 25º lugar para 30 vagas. Tirei 95 na redação do Enem.

Mas para ser totalmente honesto, tenho que dizer que nos últimos meses peguei o edital do vestibular e estudei a fundo o que não tinha estudado em 3 anos: estudei física, matemática, química, biologia.

Esta história pode te dar três reflexões:

1) Você não precisa se o melhor aluno da classe para passar em um vestibular.

2) Ler é um prazer e ao mesmo tempo um estudo.

3) No último ano, você precisa estudar mais o que você não estudou e menos o que você já conhece.

E uma quarta: passar ou não no vestibular é uma questão de ter estudado mais, claro. Mas igualmente importante é a preparação emocional. O fato de eu ter passado na frente dos meus colegas de Ensino Médio que estudavam mais do que eu não quer dizer que eu seja melhor ou mais inteligente. Avaliando, diria que eu estava mais preparado emocionalmente para a hora da prova. Conhecia uma técnica simples da PNL que é de visualização.

Antes de fazer a prova, tinha conhecido o campus da UFSJ e, então, eu passei a fazer frequentes visualizações de que já estava dentro. Eu me imaginava indo para as aulas, eu me imaginava na cantina, eu me imaginava conversando com os amigos e colegas. Esta visualização frequente ficou como que um mantra em minha cabeça. Depois, era como se eu realmente já tivesse passado. Tanto que na hora da prova não tive medo de não passar, não senti nervoso de estar sendo avaliado, nem fiquei tenso com as perguntas mais difíceis…

Portanto, treine também o seu emocional.

Saber psicologia antes de fazer psicologia?

Uma dúvida que recebo frequentemente aqui no site é sobre o que estudar antes de entrar na faculdade (de psicologia). Bem, claro que você pode pegar alguns livros e dar uma olhada, mas o que realmente recomendo é que você se dedique para o vestibular ou para o Enem.

Ou seja, não adianta colocar os carros na frente dos bois. As primeiras coisas primeiro. Não adianta você conhecer a obra inteira de Skinner e errar questões no vestibular ou Enem sobre juros compostos e, assim, não entrar e ter que fazer cursinho ou estudar sozinho por mais um ano certo?

Então, nessa transição eu recomendo que você se dedique a estudar as matérias do segundo grau. Depois que você estiver dentro da faculdade você terá muito tempo para estudar psicologia.

Como eu já estou distante desse processo há uma geração, eu tenho uma visão mais ampla e distanciada. É também engraçado lembrar que em 2000, 2001 ter um computador e, mais, uma conexão de internet era para poucos! Tínhamos que estudar em livros e nas bibliotecas. Hoje em dia, em minha opinião, só não passa quem não quer…

Afinal, a internet não é apenas redes sociais e sites adulltos, não é mesmo? Como no sonho de Jorge Luis Borges de que o paraíso é uma grande biblioteca, nós temos isso hoje, por pouco dinheiro mensal investido em uma banda larga.

Voce já parou pra pensar nisso? Culturalmente falando, nós somos muito mais ricos do que qualquer rei do século XIX! Você tem acesso a milhões e milhões e milhões de páginas de graça!

Mas voltando, estude mais para as provas para entrar na faculdade do que nas matérias que estudará na faculdade, ok?

Experiências na faculdade

Depois que entramos na faculdade, vemos as diferenças entre o Ensino Médio e o Ensino Superior. Lembro de um amigo meu de escola que foi estudar farmácia. Ele dizia que tudo o que aprendemos em química era em 2D e agora ele estava aprendendo em 3D, rsrs.

escola-faculdade

Para mim foi um salto ainda maior porque não temos a matéria de psicologia (em 2D) para comparar. Na verdade, eu nem cheguei a ter a matéria de filosofia que hoje voltou a ser obrigatória depois de ter sido proibida na época da ditadura militar.

Entao, vi que existe realmente um salto entre o que estudamos na escola e o que estudamos nas universidades. Mas, especialmente existe um pulo no modo de estudar. Em dois sentidos: eu estudava com muito mais motivação porque estava estudando tudo o que sempre queria estudar e, segundo, porque a exigência é maior e temos que nos dedicar mais.

Uma outra dica que é importante saber é que o primeiro ano (alguns dizem até a metade do curso) pode ser de adaptação. Em outras palavras, as disciplinas iniciais geralmente não são específicas: na psicologia estudamos  nos primeiros anos anatomia, neuroanatomia, fisiologia, lógica, estatística, filosofia, sociologia, antropologia. É comum perguntarmos – quando começa a psicologia mesmo?

Começa logo em seguida. E, se a pessoa está na faculdade certa, ficará muito feliz com a oportunidade.

Psicologia e Áreas de atuação

Uma outra dúvida muito comum é sobre as especializações dentro da psicologia. E, de novo, não devemos colocar os carros na frente dos bois. Primeiro, temos que fazer a graduação para depois pensar em uma área de atuação ou numa pós-graduação. É incrível ver como os alunos vão mudando ao longo dos anos.

Por exemplo, se a primeira matéria de psicologia foi psicologia social, vemos os alunos fascinados por psicologia social. Depois, ao entrarem em contato com a fenomenologia, ficam fascinados e deixam um pouco de lado a psicologia social até encontrarem a psicanálise ou a comportamental…

Enfim, vamos estudar coisas que nem sonhávamos estudar. Portanto, não se apresse. Estude tudo e depois você terá a oportunidade de escolher qual é  a melhor pra você.

Claro que é interessante entrar na faculdade já sabendo das opções. Por exemplo, ouço dizer: “quero fazer psicologia para ser uma psicóloga jurídica”.

Ótimo! Mas antes disso você terá que ser uma psicóloga…

Conclusão

Dúvidas por favor comentem abaixo.

Para concluir, gostaria de sugerir outros textos relacionados:

Por que fazer a faculdade de psicologia?

Psicologia – Mercado de Trabalho

Prós e Contras de Fazer a Faculdade de Psicologia

A psicologia é uma profissão difícil?

Melhores Livros de Psicologia para começar a estudar

Livros de Psicologia por área de atuação

Psicologia e Cinema: 215 Filmes para quem ama psicologia

48 Documentários de Psicologia: online, gratuitos e imperdíveis

Psicologia e Séries de TV – Lista Completa

Final da Faculdade de Psicologia – O que eu espero?

Perfil Profissional – Psicólogos e Estudantes de Psicologia

Ser ou não ser psicólogo?

Você se arrepende de ter feito psicologia?

Psicólogo Clínico e Online (CRP 04/25443), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Vídeos e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade). E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - [email protected] - (12) 3042-0336 - Whatsapp (35) 99167-3191 - Snapchat: psicologiamsn