Como superar as crenças negativas? Como ultrapassar os limites autoimpostos? Como superar os bloqueios mentais

Olá amigos!

Todos nós temos certas crenças negativas que nos bloqueiam. Uns mais, outros menos. Uns em uma área, outros em outra. Qualquer um que tenha querido mudar alguma vez deve ter se questionado: como superar tais bloqueios? Como deixar de lado tais crenças negativas? Como ultrapassar os limites auto-impostos?

No texto de hoje, darei algumas dicas do que tenho aprendido.

1) Tarefas grandes e tarefas pequenas

Quando fazer algo novo consiste em fazer uma série de ações (o que David Allen, do Getting Things Done chama de projetos), especialmente os projetos que são enormes, podemos simples começar a pensar que não vamos dar conta.

No ambiente acadêmico, vejo como os alunos ficam acreditando que não vão conseguir quando tem que concluir seus TCC’s, dissertações de mestrado, teses de doutorado. Isso acontece porque são necessários centenas, talvez milhares de passos ainda até terminar.

No meu doutorado mesmo, às vezes me sinto sobrecarregado. Para vocês terem uma ideia do trabalho que dá: até o dia de hoje já escrevi mais de 116.000 palavras!

E o que fazer quando começamos a pensar que ainda falta muito? Que a tarefa ou atividade é tão, mas tão tão grande que não vamos dar conta?

Simples: divida em passos menores. Divida em coisas pequenas. Muito pequenas. E só pense nesse próximo que você tem que dar. Por exemplo, hoje eu vou escrever apenas uma página do capítulo 3. Só uma. Talvez só mais 1.000 palavras (não é muito, um texto como esse normalmente ultrapassa esse número).

Portanto, divida para governar. Esqueça o que ainda falta e foque em um pouco. Um pouquinho só que você vai conseguir continuar. Pode ser uma tese. Pode ser um projeto. Pode ser para mudar o seu peso. Pode ser qualquer coisa, qualquer coisa que você porventura acha imensamente grande (ganhar 100.000 milhões de reais).

Veja também – A única coisa – o segredo do sucesso

2) Comparações com outros

Infelizmente a sociedade em que vivemos tem o hábito de comparar uma pessoa com a outra. E, em nosso processo de crescimento, talvez tenhamos incorporado esse hábito. Então, quando queremos superar um bloqueio, pode ser que passemos a comparar os nossos comportamentos com os dos outros.

Por exemplo, a pessoa pensa: “Eu não vou conseguir fazer isso. Veja só Fulano ou Ciclana. Tem tanta facilidade para fazer isso. Mas eu acho que não. Eu não vou conseguir fazer…”

Esse tipo de comparação – na verdade qualquer tipo de comparação – é uma grande bobagem. Nem pessoas que tem a mesma carga genética e a mesma história ambiental (gêmeos) são iguais. Por termos tantas diferenças individuais, é simplesmente um absurdo se comparar com ele ou com ela ou com aquele outro…

É curioso observar que este tipo de pensamento também pode servir como uma desculpa. “Fulana consegue malhar todos os dias. E perdeu já 12 quilos. Mas eu não consigo. Nem vou tentar”.

Veja também – Por que você deve parar de se comparar com os outros?

3) Eu não posso. Eu não consigo mudar. Sempre fui assim. Sempre serei

Há um tempo atrás eu escrevi este texto – O que é Mindest? Conheça os dois tipos – que explica como podemos cair no extremo de acreditar que não há possibilidade de mudança. É engraçado observar de perto esse tipo de crença porque, na realidade, é totalmente impossível não mudar.

Se você está respirando, está trocando o tempo todo oxigênio e gás carbônico (e outros gases) com o ambiente. Se você se alimenta – e obviamente você se alimenta – você está trocando substâncias o tempo todo com o ambiente. Estima-se que em 7, 8 anos quase que a totalidade dos átomos que estão no seu corpo terão saído!

Mas é claro que quando pensamos que não conseguimos mudar porque somos assim ou assado estamos acreditando no contrário: que não é possível mudar. Ou que não é fácil.

Porém, não devemos manter este tipo de pensamento, de que sou do tipo X e sempre serei desta forma. Isto nos impede de crescer e ampliar a nossa consciência.

Uma maneira simples de passar a quebrar este tipo de limitação é perceber que mudamos em outras áreas. O nosso corpo muda. Desde o ano passado, desde a década passada, passamos certamente por milhares de transformações! E se mudamos de um lado, se mudamos em uma área, podemos com certeza mudar em outra.

4) Antes feito do que perfeito

Algumas pessoas tendem ao perfeccionismo que é, em resumo, a tendência a querer deixar as coisas o mais perfeito o tempo todo. Nada errado em querer sempre fazer tudo com perfeição. O problema começa a ocorrer, entretanto, quando não se faz, porque não está ficando perfeito ou porque se crê que não vai ficar perfeito. “Se não vai ficar perfeito, melhor nem fazer”.

No Coaching eu aprendi um princípio excelente para lidar com este tipo de perfeccionismo que, no fundo, acaba se transformando em autocrítica. O princípio é: antes feito do que perfeito ou antes feito do que não feito.

5) Não posso, não consigo porque serei criticado

Escrevendo aqui para o site eu aprendi muito sobre críticas. Em poucas palavras, existem 2 possibilidades de críticas:

– críticas que querer ajudar. Por exemplo, um leitor entra aqui no site e nota que há um erro de digitação ou que uma informação importante ficou faltando.

– críticas que não querem ajudar. E, dentro deste espectro, existem críticas que são críticas à pessoa (e não ao conteúdo ou ao comportamento), críticas que são ofensivas e chulas, críticas que são pejorativas, etc.

Tendo em vista estes dois tipos de críticas, eu avalio hoje do seguinte modo: críticas que não querem ajudar não servem de nada. Dizem mais da pessoa que disse do que da pessoa que foi alvo. Críticas que querem ajudar são fantásticas. Nos ajudam a nos aperfeiçoar e a crescer.

Portanto, se você for alvo de uma crítica que não visa te ajudar, deixe de lado. Se, por outro lado, é uma crítica que pode te fazer crescer, dê tempo ao tempo, absorva, reflita e aprenda. Porém, não paralise porque você pode ser criticado. Afinal, ser criticado (se for uma crítica construtiva) pode ser o que melhor vai acontecer!

Veja também – Como superar as críticas negativas?

Conclusão

Quando eu era adolescente, eu ficava fascinado com a crença defendida por alguns autores da PNL que diziam que não deveríamos adotar a crença da psicanálise de que precisamos de muitos e muitos anos de análise para mudar. Uma pessoa consegue realizar uma importante mudança em questões de segundos. Eu ficava pensando… como isso pode ser possível?

Hoje concordo com os dois tipos de pensamento, embora sejam contraditórios entre si mostram dois aspectos do processo de mudança. Existem momentos em nossas vidas que basta um único pensamento para mudar.

Por exemplo: “isso não está bom. Vou fazer diferente. Vou mudar!”. E a pessoa muda.

Em outros casos, em que muitas e muitas emoções estão envolvidas, pode ser necessário um processo mais longo de terapia ou de análise.

Críticas, dúvidas, sugestões, por favor, escreva abaixo!

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Terapia Cognitivo Comportamental, Problemas de Relacionamentos, Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913