Olá amigos!

Em 1901, Freud publicou mais uma obra que viria a se tornar mundialmente conhecida: A Psicopatologia da Vida Cotidiana. Após publicar no ano anterior (1900), A Interpretação dos Sonhos, o criador da psicanálise expande as suas teses sobre o inconsciente para englobar comportamentos do dia a dia.

Se até então ele havia comprovado a existência do inconsciente, do desejo e da repressão (ou recalque) nos sonhos e nos sintomas dos neuróticos, o seu objetivo com esta obra agora é mostrar como o inconsciente aparece em erros e falhas cotidianas, os chamados atos falhos.

Veja também – Curso os Atos Falhos Freud – A Psicopatologia da Vida Cotidiana

Definição de Ato Falho

Em português utilizamos o termo ato falho para designar erros na linguagem (escrita, fala, leitura), erros de memória (esquecimentos) e erros no comportamento (tropeçar, cair, quebrar, etc) que são formações de compromisso entre o inconsciente e o consciente. Em inglês, estes erros ficaram conhecidos como Freudian Slips. 

Em alemão, a língua de certa forma traz uma unidade entre esses erros através do prefixo ver-

Erros na fala (versprechen), erros na escrita (verschreiben), erros de leitura (verlesen), erros de memória ou esquecimentos (vergessen), erros no comportamento ou ações desastradas (vergreifen).

Tais erros não são apenas erros, falhas sem significado. Se investigarmos o porquê de acontecerem, veremos que – por um outro ponto de vista – o erro é um acerto. A famosa frase do pequeno Shakespeare (Chespirito), criador do personagem Chaves, expressa muito bem:

“Foi sem querer, querendo”.

Um ato falho foi sem querer (conscientemente falando) mas também foi querendo (inconscientemente).

3 Tipos de Atos Falhos

No livro A Psicopatologia da Vida Cotidiana, estudamos 3 tipos de atos falhos, portanto:

1) Atos falhos na linguagem (fala, escrita, leitura);

2) Atos falhos de esquecimento (falha na memória);

3) Atos falhos no comportamento (cair, quebrar, derrubar, tropeçar, etc), enfim, perturbações do controle motor.

Para ficar claro, vamos exemplificar os 3 tipos abaixo.

Atos falhos na linguagem

São os atos falhos mais conhecidos. Lembro que quando estava na faculdade de psicologia, um de meus professor contou que estava indo de ônibus até a faculdade, e ouviu de uma passageira que estava sentada atrás dele:

“Isso foi um ato fálico”…

Nesta frase, vemos que a pessoa trocou a palavra falho por fálico (pênis). Um erro na fala que se, formos investigar, encontraremos um significado inconsciente para ela.

Em uma apresentação na faculdade, no primeiro período, uma aluna estava falando sobre Freud (lê-se Fróide).

Ela disse: “Foi assim que o Fraude”…

Também teríamos que investigar porque a aluna considera o Freud uma fraude, mas é obviamente um exemplo de um ato falho.

Atos falhos de esquecimento

No Psicopatologia da Vida Cotidiana, Freud dá diversos exemplos dos três tipos de atos falhos. Logo no início, ele menciona e analisa um ato falho de esquecimento que aconteceu com ele mesmo. Visitando a catedral de Orvieto, ele se esquece do nome de o pintor dos afrescos. Ele procura buscar em sua memória, os nomes que aparecem são Botticelli e Boltraffio, mas ele reconhece que ambos não são o nome correto.

Uma outra pessoa lhe informa o nome: Signorelli e ele imediatamente reconhece-o como o nome correto. Analisando o porquê do esquecimento, ele vê que na conversa anterior falavam dos costumes na Bósnia e Herzegovina. O tema relacionado era da morte e da sexualidade. As palavras Herzegovina e Herr (senhor, Signor em italiano, Signorelli ), que estavam na conversa anterior interferiram na cadeia associativa e afetaram a sua memória.

Um exemplo mais simples consiste quando esquecemos de ligar para alguém. O esquecimento é um erro, mas se formos investigar a fundo a causa do esquecimento, veremos que seria como se “uma parte” de nós não quisesse realmente ligar.

Por isso, o ato falho é um erro, mas também um acerto (do ponto de vista do desejo inconsciente).

Atos falhos no comportamento

O último tipo de ato falho (vergreifen) é traduzido para o português como equívocos na ação. Como mencionamos acima, são perturbações do controle motor que, se analisados, nos conduzem também a uma formação de compromisso entre o inconsciente e o consciente.

No capítulo VIII da Psicopatologia, Freud nos dá o seguinte exemplo:

“Em anos anteriores, quando eu visitava o paciente a domicílio com maior frequência que hoje, ocorria-me muitas vezes, ante a porta em que eu deveria bater ou tocar a campainha, tirar do bolso as chaves da minha própria casa e, logo em seguida, tornar a guardá-las, quase envergonhado. Quando considero os pacientes em cujas casas isso acontecia, sou forçado a supor que esse ato falho – apanhar minha chave em vez de tocar a campainha – tinha o sentido de uma homenagem à casa onde eu cometia esse erro. Era equivalente ao pensamento: ‘Aqui me sinto em casa’, pois só ocorria em lugares onde eu me havia afeiçoado ao doente” (É óbvio que não toco a campainha da minha própria casa).

O exemplo do Chaves do “sem querer, querendo” quando ele bate no Senhor Barriga também pode ser considerado um equívoco na ação que possui um significado. Por um lado, ele realmente não deseja ser tão desastrado, por outro, talvez queira bater de verdade no dono da vila.

Conclusão

É importante notar que, apesar das diferenças entre os três tipos de atos falhos, ele possuem uma unidade na linguagem, pois não só os atos falhos linguísticos (fala, escrita, leitura) são erros deste tipo. Quando nos esquecemos de um nome ao ter que apresentar uma pessoa ou não lembramos de enviar um email, estamos vivenciando um conflito entre um traço mnêmico (um representante da pulsão ou um significante) e, igualmente, os atos falhos comportamentais são ocasionados por uma formação de compromisso entre dois significantes, um do lado do desejo e o outro do lado da repressão.

Estamos iniciando agora um Novo Curso em Vídeo sobre A Psicopatologia da Vida Cotidiana.

Veja a 1° Lição Gratuitamente abaixo e clique no link para ter acesso!

Você pode ter acesso de dois modos:

1) Comprando o Curso individualmente, clicando aqui – Curso Freud – A Psicopatologia da Vida Cotidiana

2) Assinando o nosso site e tendo Acesso a Todos os Vídeos de Todos os Cursos – por apenas 49,90 você terá acesso a mais de 70 vídeos e semanalmente acrescentamos mais!

Psicólogo Clínico e Online (CRP 04/25443), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Vídeos e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade). E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - [email protected] - (12) 3042-0336 - Whatsapp (35) 99167-3191 - Snapchat: psicologiamsn