Falar em público é um comportamento como outro qualquer. Use a regra do treinamento contínuo que diz: fale mais, cada vez mais, para falar cada vez melhor. 

Olá amigos!

Na página inicial do nosso Curso, eu mencionei que eu já tive dificuldades de falar em público por uma experiência infeliz em minha infância. Isso aconteceu quando eu tinha por volta de uns 8 anos. Eu adorava estudar, responder às perguntas das professoras, participar de atividades extras como apresentar um trabalho oral (não era obrigatório para todos) e teatros. Até que, em uma apresentação, eu me esforcei ao máximo e fiz conforme a professora havia ensinado sobre como falar em público: decorei o texto inteiro.

O problema foi que na hora de falar, eu me distraí e esqueci do texto que tinha decorado. Não preciso dizer que foi uma situação incômoda e que criou um conflito interno por alguns bons anos. Por um lado, eu continuava querendo falar o que tinha aprendido mas, por outro, eu tinha a impressão de que não saberia falar – por causa do branco que tinha me dado naquele dia.

Como eu falei na 1° Lição, o primeiro passo para nós aprendermos a falar em público é o processamento pós-evento mais positivo. Uma outra forma de nós fazermos esta avaliação após o evento é possível com a Programação Neurolinguística. Nos Estados Unidos, aonde a PNL foi criada, existe a ideia muito forte de pessoas bem sucedidas e pessoas fracassadas. Para superar estas ideias limitantes a PNL sempre informa: “não há fracassos, há apenas resultados”.

Quanto eu ainda tinha o conflito entre querer falar e achar que não falava muito bem, uma outra professora me deu uma dica que no momento me pareceu inconcebível, ela disse: “para aprender a falar em público cada vez melhor, você tem que falar cada vez mais. Aproveite toda e qualquer oportunidade e fale”. Mas, como eu tinha este conflito, eu sempre exitava, às vezes dizia sim, às vezes dizia não e até, em certos períodos, ficava sem falar mesmo.

Contudo, logo eu vi que a orientação desta professora tinha razão quando eu notei que a minha experiência com 8 anos não era uma experiência de fracasso. Era um resultado. Um resultado da técnica que tinha aprendido. Ou seja, fazer uma apresentação tentando decorar toda e cada frase não era uma técnica interessante. Isto porque a memória poderia falhar e, enquanto tentássemos reestabelecer o fio da conexão, teríamos que ficar em silêncio.

Em outras palavras, “não foi um fracasso meu, foi apenas o resultado de uma técnica ineficaz. (Pelo menos ineficaz para mim. Pode até ser uma técnica boa para você). Assim, o que eu comecei a fazer foi treinar outras técnicas. Durante a faculdade, em congressos e seminários, tentei de tudo: tentei ler toda a apresentação, tentei falar de improviso, tentei ler uma parte e falar de improviso uma outra parte, tentei usar Power Point, tentei falar em pé, tentei falar sentado e, à medida em que fui aprendendo, fui aplicando as técnicas que veremos nas lições seguintes.

Treinamento Contínuo

Deste modo, com cada experiência eu aprendi um pouco mais e comprovei o que a minha professora já havia falado. De novo eu reproduzo para que você também possa passar a usar o seu ensinamento:  “para aprender a falar em público cada vez melhor, você tem que falar cada vez mais. Aproveite toda e qualquer oportunidade e fale“.

Como também já mencionei aqui no nosso Curso, falar em público é um comportamento como outro qualquer. Se nós começarmos a avaliar o nosso comportamento de falar em público como um comportamento bom, muito bom, estaremos no autorreforçando – o que aumentará a probabilidade de emitir este comportamento. E, paradoxalmente, ao emitir cada vez mais o comportamento, estaremos tornando-o ainda melhor.

Podemos fazer uma analogia. Michael Phelps, o nadador americano que ganhou 22 medalhas olímpicas (o homem que mais ganhou medalhas em Olimpíadas. Se ele representasse um país, ficaria em 12° lugar no quadro de medalhas), ele era um sujeito obstinado que começou a praticar natação na infância. Quando seu treinador viu a sua facilidade, ele não simplesmente pensou: “bem, ele já é talentoso, ele já tem facilidade, agora é só treinar um pouco e estará ok”. Pelo contrário, ele aproveitou cada oportunidade para treinar e fez do seu treinamento um hábito diário.

Diário realmente: Phelps percebeu que se treinasse aos domingos teria uma vantagem de 52 dias com relação aos seus competidores que só treinavam de segunda a sábado.

Isto nos ensina uma lição importante: como o comportamento de falar em público é um comportamento como outro qualquer – como nadar – nós nos aperfeiçoaremos na medida em que treinarmos. Se você treinar uma vez por mês, terá um resultado que melhorará a cada mês. Se você treinar uma vez por semana, melhorará a cada semana. Se treinar todos os dias, melhorará todos os dias.

No livro Desperte o seu gigante interior – um livro de PNL e que também é vendido como um excelente livro de motivação – Anthony Robbins diz:

“Tornei-me um excelente orador porque, em vez de uma vez por semana, estava disposto a falar três vezes por dia para quem quisesse me ouvir. Enquanto outros na minha organização tinham 48 compromissos para falar em público por ano, eu tinha um número similar em duas semanas. Dentro de um mês, isso significava dois anos de experiência. e dentro de um ano, eram décadas de oportunidades para crescer. O pessoal que trabalhava comigo comentava que eu tinha “sorte” por ter esse talento “inato”.

Tentei explicar o que estou dizendo agora: o domínio leva o tempo que você quiser. A propósito, todos os meus discursos eram bons? Longe disso! Mas com toda a certeza eu aprendi com cada experiência, e de um modo ou de outro fui melhorando até que, em muito pouco tempo, era capaz de entrar numa sala e me fazer entender por gente de todos os escalões da vida”.

Conclusão

Para concluir, pode surgir a pergunta: Mas como eu posso treinar todos os dias ou até três vezes por dia?

Bem, aproveite toda e qualquer interação social para falar. A definição de público não significa que falar em público é falar para mais de 10, 20 ou 100 pessoas. Quando você conversa com uma outra pessoa, você está emitindo o que chamamos na psicologia comportamental de comportamento verbal público (por oposto a comportamento verbal encoberto ou privado que é o pensamento).

Assim, aproveite toda e qualquer oportunidade seja com uma, com uma dúzia ou com centenas de pessoas. Você pode aperfeiçoar a sua habilidade de contar uma história, de contar uma piada, de explicar um conceito, de descrever uma teoria. Agarre cada oportunidade que surgir para falar em reuniões, em seminários, para dar palestras, para dar entrevistas em rádios, em TV. Com a internet, você pode criar um blog e um canal no Youtube e gravar um vídeo por dia sobre assuntos de seu interesse. Enfim, use a regra que diz: fale mais, cada vez mais para falar cada vez melhor.

Próxima lição – Lição 3 – Pausas de até 5 segundos

Veja também:

Página Inicial – Como falar em público

Lição 1 – Processamento Pós-Evento 

Lição 2 – Treinamento contínuo

Lição 3 – Exposição situacional – Pausas de 5 segundos 

Lição 4 – Exposição situacional – Olhos nos olhos

Lição 5 – Exposição situacional – Firmeza na fala

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness e Pós-Doutorando (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade), fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online e Orientação Profissional Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913