Olá amigos!

Desde agosto de 2016 comecei a estudar a Comunicação Não-Violenta (CNV), também chamada de Comunicação Compassiva. O grande objetivo da CNV é nos ensinar sobre como expressar nossas observações, sentimentos, necessidades e pedidos e ouvir das outras pessoas as suas necessidades, de uma forma que a vida de todos se enriqueça – em uma relação ganha-ganha.

Escuta empática

Aprendi muito nestes últimos dez anos como psicólogo clínico e considero fundamental ter aprendido que nem sempre precisamos fazer alguma coisa. O Jacques Allain-Miller, da psicanálise lacaniana, dizia que o analista tem que se livrar da culpa de não fazer nada.

Não entendam mal. Não é que o psicólogo fique parado só esperando a hora passar. Temos milhares de técnicas, avaliações e procedimentos, mas é preciso ter sensibilidade para a necessidade atual (na sessão) do paciente. Explicando melhor, em alguns momentos de um atendimento, ou em um atendimento inteiro, o melhor procedimento é apenas ouvir, com atenção. É a chamada escuta empática.

A escuta empática não é ficar em silêncio dizendo aham, hum, mas sim estar totalmente presente para a pessoa à nossa frente, dando espaço e tempo para que ela possa se expressar com liberdade.

Evidentemente, a escuta empática não se limita ao nosso trabalho no consultório. Em um mundo ideal, todos os diálogos seriam diálogos em que haveria conexão, em que uma pessoa escutaria empaticamente a outra.

O que bloqueia a escuta empática

Quando ouvimos alguém no dia a dia, muitas vezes interrompemos a fala e já sobrepomos alguma coisa nossa. Isso faz com que a conexão seja perdida e muitas vezes haja frustração e desentendimentos. Alguns comportamentos comuns que frequentemente ocorrem e bloqueiam a escuta empática:

⁃ aconselhar: “acho que você deveria… como você não fez…”

⁃ gabar-se: “isso não é nada, escute o que aconteceu comigo…”

⁃ educar: “isso pode se transformar em uma experiência positiva para você se você…”

⁃ consolar: “não foi sua culpa, você fez o melhor que você pode”

⁃ contar uma história: “isso me lembra a vez em que…”

⁃ cortar: “ah, para. Não fique tal mal…”

⁃ simpatizar: “oh que pena para você…”

⁃ interrogar: “desde quando isso começou?”

⁃ explicar: “eu teria ligado mas…”

⁃ corrigir: “isso não foi o que aconteceu” (Marshal Rosenberg, Nonviolent Communication, capítulo 7).

O que fazer para promover a escuta empática

Além de procurar evitar estes comportamentos listados acima – quando o que a pessoa quer é se expressar livremente e não solicitou nem conselho, nem crítica, nem julgamento, nem uma história parecida – o que devemos fazer para promover a escuta empática é bem simples. Bem simples e extremamente eficaz. E este procedimento foi extensamente utilizado na psicologia humanista de Rogers, com sucesso, e na comunicação não violenta: refletir ou parafrasear.

Em momentos que queremos apenas abrir o nosso coração e dizer como estamos nos sentindo, ou algo que aconteceu (uma observação), ou uma necessidade, um desejo, uma vontade, é ótimo ter a impressão de que estamos sendo ouvidos de verdade. E a forma que mais traz segurança de que estamos sendo escutados atentamente – junto de certos sinais não-verbais – é quando a outra pessoa nos diz o que acabamos de dizer, como um eco, um reflexo, uma paráfrase.

Vamos ver um exemplo de Rogers, no livro Tornar-se Pessoa. Note como Rogers apenas ouve e reflete o que o paciente (ou cliente – C) disse antes.

Psicoterapia em Rogers

C: Não me parece ser possível a ninguém relatar todas as mudanças que sente. Mas eu certamente tenho sentido nos últimos tempos que tenho mais respeito pela minha constituição fisica, mais objetividade com relação a esta. Quero dizer que não espero demais de mim mesmo. É assim que funciona: parece-me que no passado costumava lutar contra um certo cansaço que sentia após as refeições. Bem, agora tenho plena certeza de que realmente estou cansado — de que não estou me fazendo de cansado — que estou simplesmente fisiologicamente mais fraco. Parece que eu estava constantemente criticando meu cansaço.

T: Então você se deixa estar cansado, ao invés de sentir, além disso uma espécie de crítica.

C: Sim, de que eu não deveria estar cansado ou algo assim. E me parece de um certo modo ser bem profundo o fato de que simplesmente não posso lutar contra esse cansaço, e isto é acompanhado também por um sentimento real de que tenho que ir mais devagar, de modo que estar cansado não é uma coisa tão horrível. Acho que também posso como que estabelecer uma ligação aqui de por que eu deva ser assim, da maneira como meu pai é. e da maneira como encara algumas dessas coisas. Por exemplo, digamos que eu estivesse doente, e eu lhe contasse, e pareceria que abertamente ele gostaria de fazer algo a respeito, mas também faria transparecer: “Oh meu Deus, mais problemas”. Você sabe, algo assim.

T: Como se houvesse algo bem importuno com o fato de se estar fisicamente doente.

C: Sim, tenho certeza de que meu pai tem o mesmo desrespeito pela sua própria fisiologia que eu tive. No verão passado, eu torci minhas costas, eu a distendi, a ouvi estalar e tudo o mais. Primeiro houve uma dor real ali todo o tempo, realmente aguda. Fui ao médico para que me examinasse e ele disse que não era sério, que curaria por si só contanto que não me curvasse muito. Bem, isso aconteceu há alguns meses e tenho percebido ultimamente que puxa vida, é uma dor real e ainda persiste — e não é minha culpa.

T: Isto não prova algo ruim a seu respeito.

C: Não. E uma das razões por que pareço ficar mais cansado do que deveria talvez seja essa tensão constante, e então já marquei uma consulta com um dos médicos no hospital para que me examinasse e tirasse uma radiografia ou algo assim. De uma certa forma acho que poderia dizer que estou simplesmente mais acuradamente sensível ou objetivamente sensível a esse tipo de coisa… E isto constitui uma mudança realmente profunda como disse, e evidentemente minha relação com minha esposa e meus dois filhos está bem, você não a reconheceria se pudesse me ver por dentro como aliás, fez você quero dizer parece simplesmente não haver nada mais maravilhoso do que verdadeira e genuinamente realmente sentir amor por seus próprios filhos e ao mesmo tempo recebê-lo. Não sei como colocar isso. Temos tido um respeito cada vez maior ambos por Judy e temos notado que — à medida que participamos disso observamos uma enorme mudança nela — isso parece ser um tipo de coisa bem profunda.

T: Parece-me que está dizendo que pode ouvir mais acuradamente a si mesmo. Se o seu corpo diz que está cansado, você o ouve e acredita nele, ao invés de criticá-lo; se está com dor, você pode ouvir isto; se o sentimento é realmente amor por sua esposa ou filhos, você pode sentir isto, e isto parece se revelar também nas diferenças provocadas neles.

Conclusão

Neste breve texto, procurei mostrar o que é a escuta empática. Ouvir atentamente, criar conexão com a outra pessoa que está se expressando. Não é por maldade que às vezes queremos contar uma história nossa, dar um conselho, etc. Também pode ser uma necessidade de expressarmos o nosso ponto de vista ou à nós mesmos.

Entretanto, muitas vezes quando fazemos isso, interrompemos o que a outra pessoa estava procurando formular e dizer e rompemos uma grande oportunidade de criar uma ponte e aprender o que a outra pessoa está pensando e sentindo.

A escuta empática é, em resumo, estar presente e aberto para ouvir e refletir (dizendo de novo) o que acabamos de escutar. Façam o teste e depois comentem como é uma experiência maravilhosa para si e para o outro.

Psicólogo Clínico e Online (CRP 04/25443), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Vídeos e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade). E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - psicologiamsn@gmail.com - (12) 3042-0336 - Whatsapp (35) 99167-3191 - Snapchat: psicologiamsn