Às vezes é bom reconhecer que um pensamento é só um pensamento.

Olá amigos!

Fernando Pessoa foi o maior poeta de língua portuguesa. Minto. Foi o maior poeta de todas as línguas. Não só porque escreveu seus poemas mais tórridos em francês e inglês, mas porque a sua genialidade é incomparável. Além disso, ele não foi apenas um poeta. Ele foi vários. Os mais conhecidos são Fernando Pessoa, ele mesmo, Álvaro de Campos, Ricardo Reis, Alberto Caeiro.

Eu gosto particularmente de Álvaro de Campos, porque ele é aquele que viveu no nosso século (o século XX). Aquele que é lógico (um engenheiro naval), que tem certas tendências negativas (“é antes do ópio que minha alma é doente”) e que encara o mundo com o desespero de quem percebeu que o universo é infinito e que estamos irremediavelmente sós.

É o sujeito que conheceu Kant, Jean-Jacques Rosseau, Napoleão, Hegel, entre outros, viu a sua grandeza e se deu conta que não tinha feito nada. “À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo”… É a pessoa que vê a passagem das horas em frente a uma tabacaria… e apesar de tudo, de ter muito pensado e sentido, encontra-se perdido e amargurado.

Não conhecemos muitas pessoas assim? Talvez sejamos também um pouco assim.

O curioso é que Fernando Pessoa, ele mesmo e ele como Álvaro de Campos, sabia que faltava algo. Em meio a sua suposta mediunidade e incrível sensibilidade psíquica (ele traduziu “A Voz do Silêncio” da Blavatsky), ele sabia que lhe faltava algo. Algo muito importante. O seu mestre, o seu guru, o seu Self.

Certa noite, o mestre veio. Quando o discípulo está preparado, o mestre aparece. O mestre apareceu como Alberto Caeiro. Era 8 de março de 1914.

Pensar incomoda como andar na chuva

Depois de muito pensar e sentir como Álvaro de Campos, o pensamento e as emoções desencontradas tem que dar lugar a algo maior. Porém, ao contrário do que se poderia imaginar, o que é maior é o que é mais simples: as sensações corporais e a natureza.

Normalmente não nos damos conta que os pensamentos (em imagens, sons ou letras em um papel ou tela) não são nada. Ou melhor, são só isso: sons e imagens. Se eu digo: “caneta” você pensa em uma caneta mas isso não significa que a caneta vai aparecer milagrosamente na sua frente. Uma caneta é só um objeto qualquer. Poderia ser outro. Mas o que dizer das grandes palavras como amor, felicidade, paz, justiça?

Para o mestre de Fernando Pessoa, tudo isso são só palavras. Como no poema “há metafísica bastante em não pensar em nada”… o mistério é haver em quem pense no mistério, já que se há, não é mais um mistério…

Andar na chuva incomoda quando você tem que ir em algum lugar e vai ficar molhado por horas. Você não quer se molhar, então, por não querer, a chuva te incomoda.

andar-na-chuva

É como pensar. Pensar incomoda quando você não quer pensar. Quando não é útil, quando não vai lhe acrescentar nada. Quando você quer que os pensamentos parem, mas você não consegue. Ou, o pior, que é confundir o dedo que aponta (o pensamento) com o objeto que é apontado…

No segundo poema do Guardador de Rebanhos, o poeta-mestre diz:

“E o que vejo a cada momento

É aquilo que nunca antes eu tinha visto,

E eu sei dar por isso muito bem…

Sei ter o pasmo essencial

Que tem uma criança se, ao nascer,

Reparasse que nascera deveras…

Sinto-me nascido a cada momento

Para a eterna novidade do mundo”…

Mindfulness Psychology: o pasmo essencial

Ter atenção plena exige treinamento. Alguns, como Pessoa, conseguiram atingir este pasmo essencial – uma percepção da realidade além das palavras – e captar a beleza da vida. Quem acompanhou atentamente o crescimento de uma criança não pode deixar de se maravilhar com o processo de aquisição da linguagem, as perguntas do porquê das coisas, o interesse de pegar, tocar, cheirar, correr, chorar…

Ao aprender uma língua estrangeira, surge algo parecido. Porque lua em alemão é masculino (Der Mond) e sol é masculino (Die Sonne)? Por que Espírito Santo, em hebraico, é feminino? Por que as palavras tem essa ordem em uma frase ou são grafadas deste jeito e não de outro? Enfim… são só palavras. O problema é que nós vemos o mundo através das palavras que usamos.

Toda vez que vou a um congresso, acho engraçado como, subitamente, você entra em um outro universo. Por exemplo, se você vai em um evento sobre Mindfulness, essa palavra será a mais importante. Se você vai em um sobre psicanálise, Freud será o tempo todo ouvido. Isto é óbvio, claro. Mas apenas significa que há ali uma comunidade que procura usar certos termos para descrever certas realidades. Seria interessante um teste no qual fosse proibido usar certas palavras e dizer ainda alguma coisa…

Mas voltando ao nosso assunto. Silêncio. O que você pode ver, ouvir, tocar, cheirar, degustar agora?

“Para mim pensar nisso é fechar os olhos
E não pensar. É correr as cortinas
Da minha janela (mas ela não tem cortinas).

O mistério das cousas? Sei lá o que é mistério!
O único mistério é haver quem pense no mistério.
Quem está ao sol e fecha os olhos,
Começa a não saber o que é o sol
E a pensar muitas cousas cheias de calor.
Mas abre os olhos e vê o sol,
E já não pode pensar em nada,
Porque a luz do sol vale mais que os pensamentos
De todos os filósofos e de todos os poetas.
A luz do sol não sabe o que faz
E por isso não erra e é comum e boa”…

Conclusão

Pensar é bom. É importante. Faz parte. Mas em uma cultura que valoriza excessivamente o pensamento e a tagarelice, ficar em silêncio é ameaçador. Desde o “penso, logo existo” há uma associação perniciosa entre o pensar e o ser (talvez desde Heráclito ou ainda antes). De toda forma, esta história é também só mais um pensamento. Como todo pensamento, vai passar. E entre um pensamento e outro, o silêncio é bem-vindo.

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Terapia Cognitivo Comportamental, Problemas de Relacionamentos, Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913