Olá amigos!

Um leitor nos questionou sobre como vencer a timidez amorosa crônica. É uma excelente pergunta, direta, clara e que tem um objetivo. Ao longo deste texto, vamos conversar sobre o tema, que relaciona ,portanto, três elementos: timidez, amor, e o que é crônico.

Segundo os especialistas em etimologia, a ciência que estuda a origem das palavras, timidez vem de timo. Timo, por sua vez, pode significar, em grego, medo assim como pode ser uma referência à glândula timo, localizada no coração e que seria responsável – de acordo com antigas fontes – pela alegria infantil, que decai na adolescência, adultez e velhice. A verdade é que a medicina não sabe muito bem sobre o funcionamento da glândula timo. Para os nossos propósitos, podemos ficar com a primeira definição: a timidez como medo.

Definir o amor já nos parece mais problemático. Alguém aí teria uma definição precisa? Acho difícil. Gosto da frase em inglês que diz: “Love is a trick question”. O amor é uma questão complicada, divertida, enganosa, travessa, uma brincadeira. Reúne em uma única definição o amor ambíguo, divertido e enganoso… Também é fácil nos lembrarmos de Camões, com seu poema: “O amor é o fogo que arde sem se ver”…

Veja um interessante Documentário sobre Camões

Mas voltando ao tema do texto, penso que não é necessário definir o amor. Para quem deseja, talvez, uma definição filosófica, abstrata, conceitual, recomendo o livro “O Banquete”, de Platão. Lacan, uma dos maiores psicanalistas depois de Freud, analisa o Banquete em seu Seminário sobre a Transferência.

Para os nossos propósitos, definir o amor também se faz desnecessário, já que a timidez amorosa não é o medo do amor, mas o medo do fracasso do amor, o medo de dar errado, de falhar, de soar e ser ridículo. Mas voltaremos novamente a isto.

Crônico vem de Cronos, o deus grego do tempo, da colheita, da morte, da foice identificado com o deus romano Saturno. Na astrologia medieval, Saturno era tão simplesmente o demônio. Para os místicos, o senhor do karma. Em resumo, o conceito de algo crônico – como uma doença crônica – consiste na periodicidade, na repetição constante e frequente.

Portanto, chegamos ao ponto em que podemos dizer que a pergunta de nosso leitor busca a saída para o medo de perder o amor – ou de não conquistar – e que se repete constantemente, em diversas situações, de tempos em tempos.

Como superar a timidez amorosa crônica

Se timidez é medo e o contrário de medo é coragem, podemos imaginar que a resposta seguirá nesta direção. Como mudar de um comportamento medroso para um comportamento corajoso? O que pode vir a alterar este estado de coisas?

Bem, no consultório de psicologia, cada pessoa é tratada em sua individualidade. O que significa que é sempre impossível dizer um caminho válido universalmente. Mas alguns pontos podem ser citados para ajudar a quem está sofrendo com este problema o tempo todo ou em certas situações.

Primeiro, é melhor pensarmos em confiança do que em coragem. A confiança em si mesmo surge a partir da percepção de que somos únicos. Existem pessoas parecidas em uma ou outra característica, mas na totalidade nós somos únicos. Aprender a reconhecer e a admirar este fato já ajuda, em muito, a ter mais confiança. Em outras palavras, podemos passar a reconhecer a nossa individualidade pelo que ela tem de especial, de positiva, de interessante.

Segundo, superar a ideia de perfeição, de ter que dar certo todas as vezes. Como o amor é justamente esta questão divertida mas enganosa, travessa, podemos errar um milhão de vezes. Não há problema nenhum nisso. Ficar parado, esperando o amor ideal, sem brigas, sem desentendimentos, o príncipe ou a princesa encantada, em minha opinião, é pura perda de tempo. Como os casais geralmente possuem elementos opostos, é totalmente natural haver conflitos.

Veja os textos – Os opostos se atraem?

Medo de errar, bobagem siga em frente!

Terceiro, use as tecnologias a seu favor. Quando eu era adolescente (a não tanto tempo atrás), costumávamos mandar cartas, ainda. Era algo fantástico. Com a internet, a carta obviamente deu lugar ao email, ao msn, facebook messenger, whatsapp e por aí vai. Normalmente, para quem é tímido, escrever é mais fácil do que falar. O motivo é simples: ao escrever, podemos corrigir, alterar, reescrever e trabalhar em um texto pequeno durante um dia (ou semanas!), enquanto que na fala temos que pensar rápido e talvez dizer antes de pensar, dependendo do momento.

Por isso, a dica de utilizar as tecnologias a seu favor faz sentido.

Quarto, depois que você conhece a pessoa objeto de desejo e é conhecido(a) por ela (ele), as coisas vão se encaixando. Importante notar que, se não der certo, é a vida que segue…

Quinto, se ainda assim você sente muita, muita, muita dificuldade em se abrir, sugiro que você procure um profissional da psicologia para te ajudar. Através da terapia, você conseguirá se conhecer melhor, e começará a entender porque surgir este sentimento de ter medo de (perder) o amor (de alguém) e como superar, a seu modo, esta dificuldade.

Comentários são sempre bem vindos, escreva abaixo!

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Terapia Cognitivo Comportamental, Problemas de Relacionamentos, Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913