Olá amigos!

No último texto, falamos a respeito de Como lidar com as críticas. O medo de errar está intimamente relacionado com o medo de receber críticas. E se pensarmos quantos sonhos, quantos projetos – realmente positivos, construtivos, engrandecedores – deixam de ser realizados pelo simples fato de se ter medo de errar, de não desejar ouvir uma ou outra crítica!

Enquanto estava pensando no tema deste texto, me lembrei do Silvio Santos orientando uma apresentadora de TV, que estava recebendo muitas críticas. Ele disse apenas: “- pare de pensar nestas críticas! Todo mundo erra. Siga em frente”. Claro, não exatamente com estas palavras, mas o sentido era este.

É interessante ouvirmos este pensamento de um dos maiores empresários do Brasil. Óbvio que ele foi (e é) criticado… se ele fosse paralisar, por querer ser só elogiado, ele não teria conseguido atingir os objetivos que tinha para si. E você? Está com medo de errar? Bobagem! Siga em frente!

Medo de errar

Pode parecer estranho colocar desta forma, mas nós aprendemos errando. Se lembrarmos da escola, veremos quantas contas erradas de matemática fizemos até acertar, quantas horas tivemos que errar, treinando a nossa caligrafia até a letra ficar bonita… e em todas as matérias foi assim. As questões erradas nas provas também chamam muito a atenção, e, se formos espertos, aprenderemos nas questões erradas o que estamos precisando estudar mais.

Ora, se aprendemos errando (além da observação e imitação dos comportamentos de outras pessoas que tomamos como ideal), para que ter medo de errar? Olhando desta forma, vemos que ter medo de errar seria igual a ter medo de aprender.

Thomas Edson, um dos maiores inventores e gênios que a humanidade já viu, disse certa vez o seguinte quando estava tentando encontrar uma solução para a criação da lâmpada elétrica. Sim, antes não existia a lâmpada, rsrs. O criador dela, depois de tentar milhares de vezes, disse:“Eu não falhei, encontrei 10 mil soluções que não davam certo”.

A bobagem de não seguir em frente

Quando eu me formei, trabalhei durante 1 semana em um asilo. Por uma série de motivos, eu pedi para sair. O trabalho seria para ser por 4 meses – para cobrir uma licença maternidade. Fiquei um pouco chateado de não ter dado continuidade. Afinal, talvez pudesse ter avaliado melhor o fato de que, ao substituir uma outra pessoa durante tão pouco tempo, não teria muito espaço para desenvolver o meu próprio trabalho. Ou seja, teria apenas que fazer do jeito como era feito e seria feito depois.

Enfim, estava chateado com isso e uma grande amiga me disse:  “Felipe, agora você já sabe o que você não quer”… Eu segui em frente e fui trabalhar com Recursos Humanos. Fiquei seis meses e saí. Foi um outro “erro” profissional, mas outra oportunidade que tive de saber o que eu não quero.

Será que eu poderia ter aprendido sem errar? Na oportunidade do asilo, penso que sim. Com Recursos Humanos, penso que não. Até hoje eu gosto da área. Às vezes ainda fico pensando de estudar administração, economia, marketing (todas estas áreas tem íntima relação com RH). Às vezes fico pensando, mas sei que voltar a trabalhar na área seria errar de novo… Portanto, só pude aprender errando e seguindo em frente.

Também aprendemos por comparação, por contraste. Quando saí do asilo, saí do trabalho com idosos e fui trabalhar com jovens em busca de oportunidades profissionais. Fui, então, acumulando experiências em outros trabalhos (esses não foram “erros”): o tempo do mestrado, do doutorado, os pacientes do consultório e os pacientes da psicologia online.

Olhar para o passado e ver os nossos caminhos, é interessante. Foram erros? Às vezes duvido. Devo me criticar por ter “errado”? Penso que não. Aprendi sempre muito.

Olhar para frente

Embora olhar para o passado possa ser uma oportunidade de reflexão, é o futuro que importa. É para lá que vamos, não é mesmo? Sempre mantendo a maior parte do tempo nossa mente no presente (e imaginando projetos positivos, construtivos e até grandiosos) para o nosso futuro, podemos tranquilamente deixar de lado o erro – certo – de ter medo de errar. Críticas virão, muito provavelmente. Vamos deixar elas virem e irem com o vento…

Para concluir, gostaria de deixar um pensamento do autor que estudo no Doutorado e estudamos no Curso Jung:

“Quando seguimos o caminho da individuação, quando vivemos nossa vida, é preciso também aceitar o erro, sem o qual a vida não será completa: nada nos garante – em nenhum instante – que não possamos cair em erro ou em perigo mortal. Pensamos talvez que haja um caminho seguro; ora, esse seria o caminho dos mortos. Então, nada mais acontece e em caso algum ocorre o que é exato. Quem segue o caminho seguro está como que morto” (JUNG, 1975, p.337)

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Terapia Cognitivo Comportamental, Problemas de Relacionamentos, Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913