Olá amigos!

Este é um texto de reflexão, dentro de Dinheiro e Profissão – uma série de textos sobre Orientação Profissional, a área da psicologia que trabalha diretamente com o direcionamento da carreira acadêmica e/ou profissional.

Quando eu estava no terceiro ano do Ensino Médio, a diretora da escola aonde eu estudava disse a seguinte frase: “Se você não sabe para onde está indo, qualquer caminho serve”. Esta frase me marcou em muitos sentidos.

Hoje, mais de dez anos depois, posso utilizar esta frase aqui para expressar verdades importantes para quem está com dúvida ou sente que algo está errado em seu trabalho e em se dia-a-dia. Outra frase interessante para começarmos a pensar é: “Ao invés de ficar esperando pelo próximo feriado ou final de semana, porque você não encontra um caminho do qual não precise fugir?”

O que você quer de sua profissão?

Dinheiro, reconhecimento, realização pessoal. Não necessariamente nesta ordem, estas são as 3 principais respostas à pergunta. As pessoas e eu e você queremos ter reconhecimento pelo trabalho que fazemos, receber salários, comissões ou pagamentos pelo esforço e, acima de tudo, ter um profundo sentimento de estar realizando algo importante neste mundo.

Estes dias no facebook eu comentei em uma postagem que falava que muitos mestres estavam tentando, no Rio de Janeiro, o concurso público para gari. Eu disse que isto teria a conotação de que talvez a pessoa já não tivesse condições antes de entrar na faculdade e mestrado. Além disso, quando todos são doutores, o doutorado – ou o mestrado – não tem sentido algum.  Alguém lá me criticou dizendo que o que eu disse era elitista e capitalista e… enfim… cada um pode interpretar como quiser.

Qualquer profissão tem seu sentido, tem sua função e cumprirá um serviço, uma demanda. O valor social do trabalho já é uma outra questão.

Um gari cumpre uma função essencial para todos nós. É, claro, uma profissão digna e que deve ser respeitada. Porém, a remuneração – como sabemos – é baixa e o trabalho tem suas dificuldades inerentes. O que eu quero dizer é que estes 3 itens: dinheiro, reconhecimento e realização pessoal podem não andar juntos.

Um gari pode sentir que está mudando o mundo. Está ajudando na limpeza do espaço público – algo evidentemente fundamental. Porém, pode sentir que ganha pouco, que seu trabalho é desvalorizado e que não há reconhecimento das pessoas para a importância da função.

O significado, portanto, é pessoal. Um pode se sentir feliz por fazer o que faz, enquanto o outro pode se sentir mal (a função sendo a mesma). Mas, em ambos os casos, o status social da profissão pode ser um fardo ou motivo de alegria.

Na área da saúde nós encontramos também diversos profissionais que dão sua vida no trabalho, que encaram a sua função como importantíssima, sentindo diariamente que estão fazendo a diferença. Contudo, quando chega o pagamento, se sentem infelizes. No valor de dinheiro recebido está também o sentimento da desvalorização do trabalho, igualmente importante para todos.

Qual é o seu objetivo?

Esta é a principal pergunta que devemos fazer quando estamos em dúvida sobre que caminho seguir profissionalmente.

– Você quer ganhar mais?

– Você quer reconhecimento das outras pessoas?

– Você quer ter o sentimento constante de estar fazendo a diferença? De estar realizando a sua missão?

Voltando à frase da minha diretora de colégio – “Se você não sabe para onde está indo, qualquer caminho serve” – mas, na verdade, qualquer caminho não serve. Ao não escolher, estamos escolhendo. E, mais para frente, sentiremos o peso das escolhas e de suas consequências.

O engraçado é que as pessoas tem a tendência de ver o que não obtiveram. Se ganharam muito dinheiro, talvez não se sintam realizadas plenamente. Se tiveram reconhecimento público mas o dinheiro foi pouco, pensam que deveriam ter ido para outra área mais rentável. Se realizaram seu potencial, ainda assim podem sentir que ninguém deu valor….

Então, junto da pergunta sobre o objetivo (O que você quer daqui a 10 anos?), podemos perguntar – para quem já está há alguns no mercado de trabalho:

– O que está faltando em sua carreira?

Conclusão

Quando estava no mestrado, eu estudei muito os conceitos de biografia e autobiografia. Ao lermos, uma autobiografia, digamos de alguém já ao final da vida, olhando para trás e vendo o que fez – e o que deixou de fazer – sempre há a ideia de que o caminho já estava trilhado, que foi o destino seguir naquela direção, que há semente já estava ali, apenas era necessário um empurrão.

Na verdade, não é bem por ai. O caminho está sendo sempre percorrido. É agora que as coisas acontecem. Como diz Nido Qubein – “Suas circunstâncias atuais não determinam onde você pode ir, elas apenas determinam a sua linha de partida.”

20504_629148807118092_141842687_n

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Problemas de Relacionamentos ou Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913