Uma vez, um professor de biologia – daqueles que seria bom não ter lembrança alguma – deu um prova para nossa classe, do ensino médio na época, com a seguinte pergunta: “- O que é a vida?” 

Bem, biologia é a ciência que estuda a vida, por definição (bios é vida em grego, e logia vem de logos, conhecimento, saber, discurso, palavra, ciência). Por este motivo, ele perguntou o que era a vida. Eu, então um garoto de 15 anos, respondi em um longo texto, dissertativo, sobre o que pensava da vida, com conceitos sobre a mesma de filósofos, artistas, teólogos, teósofos e tudo o que tinha direito. 

Foi com grande pesar e decepção que recebi uma nota muito baixa. A resposta certa, para o tal professor, era – “A vida não se define”. Ora, muito decepcionante pois desta forma ele estudou e perdeu seu tempo, de vida, estudando uma ciência indefinida…

Polêmicas a parte – já que tenho profundo respeito por esta área de saber – mas sempre achei que tudo o que ele ensinava era uma grande lista classificatória sobre seres e partes dos seres na natureza: árvores, insetos, bichos-da-seda, protozoários, pteridófitas, cromossomos… Tudo muito interessante, porém para mim parecia apenas tudo questão de se decorar uma lista, uma lista telefônica, de nomes e nomes e nomes. 

E esta é uma questão interessante em virtude de que as ciências, pensadas já há algum tempo, tem esse compartimento. O que uma pensa não pode ser pensada pela outra. Embora a filosofia – com certos critérios – seja uma não-ciência, caberia a ela pensar e definir o que é a vida, que a outra ciência, a biologia classificatória, estuda. 

Tudo isto parece excessivamente distante da psicologia. Parece, mas não é assim. Como muito bem argumentado por James Hillmann, um psicólogo que deixará saudades e um legado incrível – a psicologia tem sido, paradoxalmente, uma ciência da alma, mas sem alma. Pois a psicologia (psique é alma em grego) não estuda mais a alma. Nomes foram trocados e hoje se estuda tudo: comportamentos, cognição, doenças mentais, partes remotas e incertas do cérebro, mas a alma foi deixada de lado – para que a ciência, ou um ideal dela, fosse concretizado. 

A psicologia é, portanto, hoje uma ciência infeliz. Próxima da ciência e da ideia do professor medíocre do ensino médio que ensina o que não sabe… Para muitos, a psicologia não é mais uma ciência da alma (pois para eles não existe alma)… é tudo menos a definição etimológica. Neste sentido, são cegos que tentam conduzir cegos…

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Terapia Cognitivo Comportamental, Problemas de Relacionamentos, Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913