Neste ano de 2015 realizei a minha formação como Instrutor de Mindfulness pelo Mente Aberta – Unifesp. Foi incrível ter tido essa oportunidade e recomendo muitíssimo o Curso de Formação. Durante este ano, então, comecei a estudar o que é Mindfulness, a Psicologia da Atenção Plena, bem como comecei a aplicar os conhecimentos adquiridos em meu dia a dia e, quando necessário, com meus pacientes.

O Curso de Formação é composto de 3 módulos. No último módulo, o avançado, que concluí no mês de novembro, o nosso grupo estava conversando com o Prof. Marcelo Oliveira sobre a relação entre Mindfulness e Compaixão.

No Programa de 8 Semanas criado por Jon Kabat-Zinn, chamado de Mindfulness Based Stress Reduction, Programa de Mindfulness para Redução do Estresse, ensinamos para o grupo técnicas para aumentar a atenção ao momento presente, técnicas de meditação formais e técnicas e dinâmicas informais. Além disso, ao final, ensinamos uma prática da compaixão.

Em um primeiro momento, podemos pensar que a prática da compaixão é diferente de uma prática de Mindfulness. Uma prática de Mindfulness visaria treinar a mente para ficar atenta ao que está acontecendo aqui e agora, enquanto que uma prática de compaixão visaria despertar a compaixão por outras pessoas e, igualmente, por si mesmo.

Na conversa que tivemos no módulo avançado, ficou claro que mindfulness é indissociável da compaixão. Mas conversar sobre Mindfulness é diferente de vivenciar. Por isso, os Programas de Mindfulness são sempre vivenciais, experienciais. De toda forma, acredito ser importante compartilhar com vocês o que eu aprendi sobre esta relação entre Mindfulness e compaixão.

Mindfulness e Compaixão: Gentileza e Atenção Plena

Existem muitas definições para o que é Mindfulness. Como referência, entendemos Mindfulness como:

  1. um estado psicológico de atenção plena ao momento presente;
  2. um traço, uma característica de personalidade que algumas pessoas teriam (ou teriam desenvolvido) mais que outras;
  3. técnicas, como práticas para aumentar a presença ao longo do tempo do estado (1) e o traço (2)

Kabat-Zinn sintetiza: “parar e estar presente, isso é tudo” (Kabat-Zinn, 2005).

Como disse, Mindfulness é experiencial, pouco adianta falar sobre e não ter a experiência do que está sendo dito. Portanto, se você não tiver tido nenhum contato com Mindfulness ou se já tiver tido, tudo bem, sugiro parar por alguns instantes e realizar esta prática conduzida pela colega Daniela:

Resultados e insights das práticas de Mindfulness

O que acontece durante uma prática de Mindfulness é totalmente particular e individual. Gosto de pensar nas práticas como um momento definido em que podemos estar presentes para olhar para quem somos, para o que se passa em nossa mente, em nossas emoções, em nosso corpo.

Um querido amigo me ensinou que é muito comum que não queiramos olhar para dentro. Se recebêssemos o convite para ficar um final de semana com uma pessoa super especial – por exemplo, um líder religioso consagrado, um artista o qual admiramos ou qualquer um que daríamos tudo para estarmos próximos – certamente não evitaríamos o convite. Mas quando se trata de parar e olhar para si, nem que seja por 5 ou 20 minutos, fugimos.

Fica a pergunta: por que? O que não queremos ver?

Uma pergunta que é feita em alguns Programas de Mindfulness é a seguinte: o que você viu, pensou, observou, notou durante a prática é familiar para você? Ou seja, este tipo de reação à experiência acontece em outros momentos da sua vida?

Por exemplo, a impaciência, a aversão ao desconforto ou à dor, a sonolência ou o que for que tiver aparecido certamente não acontece somente durante uma prática de Mindfulness mas também reaparece no cotidiano…

E aqui chegamos à relação de Mindfulness com a compaixão. Por que temos em alta conta tanto outras pessoas – um líder religioso consagrado, um artista o qual admiramos ou qualquer um que daríamos tudo para estarmos próximos – e normalmente não nos vemos com tanta consideração?

Por outro lado, com o tempo e a com a realização das práticas com constância, vamos observando que o aumento da atenção plena ao momento presente traz, além de outros benefícios, uma maior compreensão de si e uma maior cuidado e gentileza com quem somos, com o modo como reagimos.

Se a nossa mente se dispersa e vai para o passado ou para o futuro, para planos e sonhos ou para lembranças e esquecimentos, voltamos a nossa atenção de novo e de novo para o presente. Nesse processo, aprendemos a ter e a cultivar gentileza. É comum, no começo, acreditar que a prática não foi feita corretamente ou criar nervosismo ou impaciência com esse modo de funcionamento. Entretanto, ao cultivar o estado de atenção plena também cultivamos simultaneamente a compaixão na medida em que entendemos que agimos como agimos por sermos quem somos e está tudo bem.

Isso não significa que não podemos nos aperfeiçoar e desenvolver. É como a resposta do monge zen ao discípulo que lhe perguntou como estava indo. O mestre disse: “você é perfeito, mas ainda pode melhorar”.

Conclusão

Utilizamos muitas palavras para categorizar as nossas experiências. Didaticamente faz todo o sentido do mundo catalogar e analisar as partes do que acontece conosco e no mundo. Dizemos: “isso é Mindfulness” e “isso é compaixão”.

Ao menos na minha experiências pessoal com as práticas, tenho percebido que são duas palavras que, em muitos sentidos, são intercambiáveis.

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness e Pós-Doutorando (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade), fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online e Orientação Profissional Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913