Olá amigos!

Na psicologia da atenção plena, em inglês, Mindfulness Psychology, há um tipo muito simples de atividade para transformar – para melhorar – os nossos relacionamentos interpessoais. É válido e útil não só para relacionamentos amorosos como para todo e qualquer tipo de relacionamento mais próximo.

Esta atividade, que também podemos chamar de treinamento, é composta de 4 partes. Cada parte, geralmente, é trabalhada e vivenciada em momentos diferentes.

Frase 1) Querido/querida – eu estou aqui para você

Na medida em que o principal, o fundamental da psicologia da atenção plena é ter e manter a atenção no momento presente, a disposição de estar presente para alguém é uma abertura para momentos de mais felicidade e encontro.

No começo de um relacionamento, é comum que um casal se olhe e se escute muito. Se vão sair para jantar, o jantar pode vir a durar horas, de tanto que conversam e estão ali, realmente presentes um para o outro.

Com o passar do tempo, um jantar se torna apenas um jantar. Há pressa para comer e pressa para terminar ou então os olhares profundos dão lugar aos celulares.

Entretanto, não é o tempo, a quantidade de tempo ou a sua duração que vai importar. É a qualidade do tempo. Cinco minutos dedicados a estar de verdade presente com a outra pessoa é a qualidade do tempo juntos. E não tem relevância se, por exemplo, é um casal que está junto há um ano ou dez ou trinta.

Como diz Thich Nhat Hanh: “Como você pode amar, se você não está lá?”

Portanto, a primeira frase é: “eu estou aqui, para você”. Para te ouvir, para te ver, para saber sobre você.

Frase 2) Querido/querida, eu sei que você está aí e eu estou muito feliz que você esteja

A segunda frase se parece com a primeira, porém ela nos traz algo um pouco diferente. Uma das definições de amor (fraternal) que já foi a dedicatória de um poema do Fernando Pessoa para o Almada Negreiros, na qual ele escreve:

“Você não sabe o quanto eu agradeço o fato de você existir”.

Existe algo mais bonito do que isso? Você não sabe… o quanto eu me sinto feliz com o fato de você existir! Não só o fato do nascimento (o nascimento de uma criança nos brinda com esse sentimento também, de contentamento pela existência), mas, além disso, é a real alegria pela presença da outra pessoa.

Em muitos relacionamentos amorosos, é preciso que o outro se afaste, para que a saudade surja e volte a percepção da importância que a outra pessoa tem.

Esses dias eu vi no facebook um quadrinho muito engraçado, infelizmente não consegui localizar. A mulher chega em casa e o cachorro vem todo feliz cumprimentá-la. O cachorrinho faz a festa e a mulher diz: “Oi, como você tá? Que lindo! Também tava com saudade! Que belezinha”. Depois, vira para o marido e diz: “Oi”. E o marido diz: “Oi”.

Sem querer explicar a piada, mas já explicando, a mulher reconhece a presença total do seu cão e este também reconhece-a. Porém, a mulher não reconhece e se felicita pela presença do marido, nem ele por ela.

Como diz Thich Nhat Hanh: “Ser amado é ser reconhecido como existente”. Portanto, pensar e dizer “eu estou feliz que você esteja aqui”. E o aqui, nos dias atuais, foi ampliado. Por uma mensagem, por um email, por um telefonema, por um chat com vídeo conseguimos nos alegrar pela presença da outra pessoa, pois, ainda que esta não esteja a dois passos de distância, podemos vê-la e/ou ouvi-la e isso já é suficiente para nos fazer feliz e irradiar a nossa felicidade.

Frase 3) Querido/querida, eu sei que você sofre, por isso estou aqui para você

Existem muitas definições de sofrimento, mas penso que não é preciso uma definição. Um sofrimento que venha do adoecimento, de uma frustração, de uma preocupação, de uma briga… não importa a causa ou a origem, todos sabem o que é sofrer. Entretanto, poucos percebem que o sofrimento pode aparecer de maneiras muito diferentes no comportamento. Enquanto um fecha a porta do seu quarto e silencia, outro esperneia e grita roucamente contra o que for, outro ainda chora e outro tenta fugir com uma saída de casa, uma viagem ou com substâncias químicas.

Ou seja, existem muitas causas para o sofrimento, a partir de diversas situações do dia a dia, assim como existem diversas formas de manifestar o sofrimento. De qualquer forma, a terceira frase diz: “eu sei que você está sofrendo e é por isso que eu estou aqui por você”.

Muitas pessoas pensam que a psicoterapia tem a utilidade de desabafar e receber conselhos. Não é tanto por aí, mas certamente uma boa parte da melhora de um paciente advém de colocar para fora o seu sofrimento e ser ouvido de maneira completa.

E, apesar de podermos não ter uma formação na área, a vontade de nos colocarmos à disposição de alguém enquanto sofre é de uma ajuda inimaginável para que o sofrimento diminua ou cesse.

Por exemplo, em uma briga de casal, ambos talvez fiquem com a ideia de que tem a razão. E, por orgulho, não se ligam. Mudar o foco dos pensamentos e perceber o sofrimento alheio e, mais, aparecer e dizer que sabe do sofrimento e estará por perto para tentar mitigar pelo menos um pouco, faz com que a aproximação seja possível.

Muitos amigos falam dos seus verdadeiros amigos desta forma. Quando eu passei por esta e aquela situação difícil, ele/ela estava aqui comigo para me ajudar.

Frase 4) Querido/querida, eu sofro, tenho tentado o meu melhor, por favor, me ajude

Esta é certamente a frase para praticarmos que é a mais difícil. Em tese, é mais fácil reconhecer e aceitar o sofrimento da outra pessoa e a sua necessidade de ajuda do que reconhecer o nosso sofrimento e a nossa necessidade de ajuda.

Eleanor Roosevelt dizia: “Ninguém pode fazer você sentir-se inferior sem o seu consentimento”. No fundo, ninguém pode fazer você sofrer sem o seu consentimento. Mas em centenas de ocasiões, é provável que ainda vamos continuar mantendo – por um tempo – a impressão de que foi a outra pessoa que nos fez sofrer.

E, como as outras pessoas tem jeitos distintos de expressar o seu sofrimento, cada um expressará a partir da sua personalidade. As duas tendências básicas, como quase instintivas, são brigar ou fugir. São duas formas de sofrimento e que vão provavelmente causar mais sofrimento no futuro, porque são ações baseadas em uma percepção distorcida.

Razão pela qual a frase nos permite praticar um outro caminho. Ao invés de brigar (gritar, discutir, argumentar, apontar o dedo) ou fugir (para um outro espaço, trancar a porta, não atender o telefone, sumir) podemos fazer diferente. Podemos pensar e dizer: “eu estou sofrendo, você pode me ajudar?”

Conclusão

Dizem que a vida é curta. Passa num piscar de olhos. Viver mais no presente e menos no passado ou no futuro nos permite viver melhor, conosco e com as outras pessoas. Estar ali, reconhecer a beleza, o mistério e magia da presença (porque só nos damos conta de como a vida é preciosa quando temos contato com a perda). Estar ali para tentar ajudar pelo menos um pouco a superação do sofrimento.

São sugestões para testar e comprovar que estas 4 frases nos trazem – a nós e aos outros – muito mais felicidade!

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Terapia Cognitivo Comportamental, Problemas de Relacionamentos, Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913