Pode parecer até preocupação demais querer entender sobre gestão de tempo. Porém, à medida que vamos ganhando mais maturidade, vamos observando – de verdade! – que não temos todo o tempo do mundo.

Olá amigos!

Qualquer pessoa que já tenha tentado aumentar a sua produtividade diária ou tenha se preocupado com a sua gestão do tempo (o que faz, o que precisa fazer, o que deixa para depois) deve ter procurado formas para ter mais tempo. Aqui mesmo no site nós já compartilhamos diversas técnicas de produtividade, de como combater a procrastinação e, assim, fazer mais e ter mais tranquilidade.

O problema de todas as técnicas que nos ajudam a ser mais eficientes e a ter mais eficácia, é que neste caso aumentamos o tempo disponível para fazermos ainda mais. Isto seria ótimo se não fosse o caso de também nos comprometermos com atividades que não vão nos ajudar em nada.

Por exemplo, digamos que você aumente a sua produtividade pessoal e consiga mais 1 hora livre de trabalho por dia. Esta hora restante, apesar de ser ótima, entretanto pode se converter em mais uma hora de preocupações se o que você escolher fazer não for inteligente.

Dizendo melhor, antes de começarmos a fazer e antes ainda de planejar o nosso dia a dia ou a nossa semana, nós podemos utilizar uma técnica interessantíssima. Através da analogia com a contabilidade, vamos ver o que aumenta os nossos créditos de tempo e o que os diminui.

A analogia é simples: crédito é o que te permite ter mais tempo assim como ter mais créditos em um celular te permite mais tempo para fazer ligações, os créditos de tempo nesta técnica te permitem ter mais tempo para fazer o que quiser. Já os débitos representam tudo o que vai tirar o seu tempo.

Gestão do Tempo

Gestão do Tempo: Aumentar os créditos e diminuir débitos

Voltando ao nosso exemplo de uma hora livre, podemos utilizar este tempo restante com atividades que vão nos dar ainda mais tempo (créditos) ou gastar o nosso tempo com atividades que vão consumir ainda mais o nosso tempo (débitos).

Atividades que nos dão mais créditos de tempo (aumentam o nosso tempo livre)

– Colocar todas as contas em débito automático

– Tercerizar serviços que podem ser terceirizados (com funcionários fixos ou não)

– Automatizar o que puder ser automatizado.

Atividades que nos dão mais débitos de tempo (diminuem o nosso tempo livre)

– Responder a todo e qualquer email imediatamente

– Se comprometer com atividades formais ou informais destituídas de sentido ou com pouca efetividade. Por exemplo, uma reunião para marcar a data de uma reunião.

– Fazer mal feito e depois ter que refazer

Então, em resumo, a técnica é simples: vamos avaliar todas as atividades que fazemos diariamente e vamos ver quais estão nos dando mais tempo e quais estão nos tomando mais tempo. Não adianta você ser super produtivo se tudo o que você faz, depois, é aumentar as atividades que dão mais débitos de tempo (que diminuem o seu tempo livre), não é mesmo?

Quer dizer, você aprende a leitura dinâmica, adianta o serviço para terminar no prazo e, nas horas que sobrarem você gasta tendo que ficar 1 hora e meia na fila de um banco para pagar uma conta. Ora, tudo o que você puder automatizar, você deve automatizar. Isto vai te poupar tempo e, em muitos sentidos, tempo é dinheiro.

Outro exemplo, como uma pessoa criativa, acabo tendo a grande tendência de me comprometer com mais coisas do que talvez consiga lidar. Com o tempo e com maior experiência, aprendi a não dar um passo maior que a perna. Aprendi a dizer não, a ter menos projetos, e, deste modo, ter mais tranquilidade, paz e até um tempo livre para poder refrescar as ideias.

Não se comprometer com atividades desnecessárias, pouco importantes ou que não poderão ser realizadas é um tipo de atividade que nos dará mais tempo.

Outro tipo de atividade que pode nos poupar tempo é fazer uma lista do que temos que fazer em um determinado lugar. Se eu vou ao supermercado, é melhor comprar tudo de uma vez do que ter o trabalho (e o tempo desperdiçado) de ir, voltar, me lembrar do que esqueci, ir e voltar, não é mesmo?

Se você faz compras mensalmente, pode ter um lista padrão fixa. Deste modo, não terá que refazer toda ela toda vez. Só terá que acrescentar quantidades ou itens específicos.

No final das contas, até as nossas horas de entretenimento podem ser avaliadas nesse sentido. Por exemplo, começar uma longa série de TV com centenas de capítulos pode nos consumir muito tempo ou começar a ver uma novela ou a ler um romance gigante em formato de trilogia.

Se voltarmos aos exemplos acima veremos que:

Colocar todas as contas em débito automático vai nos dar mais tempo. Teremos que fazer isso uma vez só. Depois, não teremos que enfrentar filas, ver se as contas foram pagas, digitar números intermináveis dos boletos, etc.

Tercerizar serviços que podem ser terceirizados (com funcionários fixos ou não). Você pode contratar pessoas para fazer mais rápido do que você faria. Em muitos e muitos casos, é possível contratar de maneira simplificada e aumentar o seu tempo sem ter que fazer o que o seu contratado vai passar a fazer por você.

– Automatizar o que puder ser automatizado. Existem milhões de exemplos do que pode ser automatizado nos dias de hoje, desde valores para serem aplicados em cardenetas de poupança, fundos de investimento; programas de computador ou online que fazem (até de graça) o que você precisa até o aparelho que te protege dos pernilongos pode ser programado para ligar sem a sua presença.

Atividades que nos dão mais débitos de tempo (diminuem o nosso tempo livre)

– Responder a todo e qualquer email imediatamente. Qualquer email, carta, SMS tem a tendência de se proliferar. Se você responde, a outra pessoa responde e, assim, você tem que responder. Este acaba sendo possivelmente um ciclo infindável. Limite no mínimo do possível (uma boa dica é se dedicar a  um período do dia para dar conta destas tarefas) e não mais.

– Se comprometer com atividades formais ou informais destituídas de sentido ou com pouca efetividade. Por exemplo, uma reunião para marcar a data de uma reunião. Ou aceitar ser sindico do prédio. Isto pode ter alguns benefícios, mas, pesados os benefícios e chateações e perdas de tempo, nem sempre vamos sair no lucro. Portanto, avalie todo e qualquer compromisso e veja se não está fazendo esgotar o seu tempo.

– Fazer mal feito e depois ter que refazer. Se tiver que fazer, procure fazer o melhor para não ter que refazer. Regra simples, mas muito eficaz para não ter que duplicar toda e qualquer atividade.

Conclusão

Pode parecer até um pouco preocupado demais querer entender sobre gestão de tempo, ser mais produtivo e querer ter mais possibilidades de escolha. Porém, à medida que vamos ganhando mais maturidade, vamos observando – de verdade! – que não temos todo o tempo do mundo. A nossa vida é finita e o tempo que perdermos em uma fila do banco, em uma desatenção que poderia ter sido evitada ou em uma reunião inútil poderia ter sido muito melhor aproveitado.

Poderíamos ter ido para a praia, ter ficado junto de pessoas queridas, ter escrito um livro, plantado uma árvore, ter tido um filho (como diz a receita popular de uma vida completa) ou o que quer te faça feliz.

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Problemas de Relacionamentos ou Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913