Olá amigos!

Há uns dois anos, estava conversando com a minha avó e ela estava me contando como achava absurdo um parente nosso ter se separado depois de alguns anos de casamento. Para ela, o casamento era indissolúvel, ou seja, para a vida toda. E há uns dias atrás, estava conversando com minha filha, de 14 anos, e ela estava me contando que apostou com uma amiga de que o namoro dela não duraria mais do que uma recarga de celular. Resultado: ela ganhou a aposta.

Amores líquidos

Existe um livro muito interessante do sociólogo Bauman sobre o modo como os relacionamentos amorosos tem se transformado nas últimas décadas. Os exemplos acima, da diferença de realidade para a minha avó e para a minha filha, resumem a questão. Os relacionamentos parecem estar durando cada vez menos. Claro que na adolescência é comum que não se considere que um amor vá durar a vida toda. Como na frase, “que seja eterno enquanto dure”, estar apaixonado pode durar um verão, uma semana, ou menos que um dia.

Pela minha experiência pessoal, tive contato com as duas situações. Casamentos que duraram e duram a vida toda, o aumento dos divórcios (sabia que no Brasil o divórcio só foi legalizado totalmente em 1977?) e o crescimento cada vez maior dos relacionamentos, se é que se pode chamar assim, que praticamente não tem duração: a criação do ficar. As pessoas deixando de estar junto para ficar junto, sem compromisso, sem uma ideia ou ideal de fidelidade.

No livro do Bauman, há a seguinte frase que achei genial:

“Diferentemente dos relacionamentos reais é fácil entrar e sair dos relacionamentos virtuais. Em comparação com a coisa autêntica, pesada, lenta e confusa, eles parecem inteligentes e limpos, fáceis de usar, compreender e manusear”.

Em uma entrevista, um jovem de 28 anos disse sobre a preferência dos relacionamentos virtuais, pela internet, ao invés dos relacionamentos “presenciais”: “Sempre se pode apertar a tecla de deletar”.

E, mais a frente, Bauman escreve:

“Como apontou Ralph Waldo Emerson, quando se esguia sobre gelo fino, a salvação está na velocidade. Quando se é traído pela qualidade, tende-se a buscar a desforra na quantidade”.

Para quem não conhece a obra de Bauman, ele ficou mundialmente conhecido pelo livro Modernidade Líquida. No mestrado, estudávamos esta obra. A tese central é que a partir do século XX, a sociedade se transformou de tal modo que as instituições e práticas mudaram de uma rigidez e fixidez para a “liquidez”, para a fluidez, com mudanças cada vez mais rápidas e, consequentemente, instabilidade ao mesmo tempo em que há cada vez mais liberdade dos indivíduos para exercer, como diria Stuart Hall, identidade cambiante. Quer dizer, ao invés de as pessoas adotarem uma identidade fixa, estável e praticamente imutável ao longo da vida, os sujeitos tem mais liberdade (e talvez, angústia) para mudar a sua identidade em diferentes contextos ou momentos da vida.

Com o sucesso da Modernidade Líquida, Bauman escreveu uma série de livros sobre esta liquidez moderna, entre eles, também há o contexto dos relacionamentos líquidos, Amores Líquidos. 

A dificuldade de se relacionar

Na opinião dos mais velhos, o casamento teria que ser para a vida toda. Com isto, era uma escolha muito importante a ser feita, muitas vezes, menos uma questão de escolher do que ser escolhido ou escolhida. Claro que muitas pessoas não se casavam. Me lembro agora da Blavastky que enfrentou as convenções sociais e dizia que o casamento era como uma loteria. Afinal, nem sempre se tinha tempo para conhecer a pessoa com que o laço eterno seria realizado. Poderia ser o melhor ou pior dos mundos.

Como na citação acima, hoje vemos uma situação diferente. É como se esta angústia de escolher alguém para a vida não existisse mais. A busca pelo príncipe encantado, porém, continua sim sendo um sonho das meninas, embora também para elas a quantidade seja cada vez menos uma afronta para a sua avaliação social.

A dificuldade de se relacionar, atualmente, está na dificuldade de perceber que um relacionamento amoroso não é um conto de fadas, ou seja, não raro é necessário enfrentar situações desagradáveis, superar conflitos, lidar com brigas e desentendimentos.

Como os relacionamentos tendem a ser rápidos e talvez descartáveis, para que se esforçar para lidar com o desprazer? Como o estudante disse, é mais fácil apertar o botão de deletar, deletar das redes sociais, apagar definitivamente o contato e começar de novo.

Mas, curiosamente, tem crescido muito o mercado de publicações, revistas, livros, sites que visam ensinar ou dar dicas de relacionamento. O problema é que as dicas – embora possam ser de vez em quando úteis – desconsideram as enormes diferenças individuais entre as pessoas.

No consultório de psicologia, vemos todos os dias estas enormes diferenças. O que faz com que tenhamos que ser críticos com qualquer orientação enlatada, uniforme, com pretensão universal. Afinal, o que é útil para uma pessoa não será útil para a seguinte…

Conclusão

Temos visto uma grande transformação social no modo como os relacionamentos são vistos, de uma geração nascida em 1930, 1940 para quem o casamento era indissolúvel, para um afrouxamento contínuo nas gerações seguintes até a geração atual, para quem é totalmente comum que um namoro não dure nem um dia.

Como tudo, há vantagens e desvantagens. A grande dificuldade residindo na impaciência de enfrentar as crises comuns de todo e qualquer relacionamento, crises estas, menores ou maiores, que se baseiam nas próprias diferenças individuais.

Apesar deste contexto de fluidez nas relações, vemos o surgimento de tendências totalmente opostas como os partidários da família e da ordem, as religiões que exaltam a virgindade e o casamento como antes, mas, mais frequentemente, vemos que na solidão que não some na quantidade de casos amorosos, o desejo de encontrar aquela pessoa especial, que preencheria todo o vazio.

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Terapia Cognitivo Comportamental, Problemas de Relacionamentos, Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913