Olá amigos!

A Psicologia Organizacional e a área de Recursos Humanos possuem um pensamento central, que quase podemos chamar de axioma: cada vaga deve ser ocupada por um perfil psicológico. Fica para futuras discussões saber o que é perfil psicológico e como analisar, medir ou testar o perfil de uma pessoa para saber se ela é adequada ou não para ser contratada, mas será que algum dia poderemos superar este pensamento? Ou temos que compreender logo que cada um é melhor em uma atividade e pronto?

Bem, este é um texto de reflexão e, por isso, deve ser lido como uma reflexão e um estímulo para se pensar sobre este assunto. Não quero ser o dono da verdade, comentários ao final são sempre bem vindos. Para escrever, vou utilizar meus conhecimentos de uma passagem que tive como Analista de Recursos Humanos, minha experiência como psicólogo clínico (desde 2006) e online (desde 2010) e, também, do outro lado, quer dizer, das minhas próprias dúvidas e questionamentos.

Em que você é melhor?

Há um tempo atrás eu escrevi este texto – Trabalhe 4 horas por semana, Resenha Completa. Neste livro, o autor, Timothy Ferris diz o mesmo que estou pensando de recomendar aqui: encontre algo que você faz muito bem, algo no qual você é excelente, e vá fundo. Invista e persevere.

O argumento é semelhante ao do RH (um perfil, uma vaga), porém, com um adendo: se você fizer aquilo que faz bem, se você der o melhor de si, você conseguirá ser bem sucedido. Fazer o contrário, se esforçar até a exaustão em algo que simplesmente não é a sua praia é perda de tempo. Por trás, podemos imaginar a ideia de que tentar sair de seu próprio perfil seria fingimento.

Princípio equivalente encontramos na República de Platão, no Mito de Er. Embora utilize o argumento reencarnacionista e descreva que cada um escolheu antes de nascer o seu próprio perfil, não podemos deixar de notar que a ideia é idêntica.

O que você acha disso?

Uma pessoa muito querida e próxima à mim sempre diz: “Concorda ou Disconcorda?” e avaliando tudo o que aprendi nestes mais de oito anos como psicólogo, diria que concordo em parte e “disconcordo” em parte.

Imagino que seja possível fingir, por necessidade ou curiosidade, um perfil que não temos. Eu já fingi por curiosidade, a fim de experimentar uma atividade profissional distante de quem sou. Deu certo por pouco tempo, mas desde o começo sabia que não daria certo no longo prazo. Me fez bem ter tentando, apesar de que resta a dúvida se não teria sido melhor aproveitar o tempo de outro modo…

Quer dizer, eu sei que podemos sair um pouco do nosso centro, do nosso perfil. Muitos conseguem até se aposentar, não sem sofrimento diário. Em poucas palavras: é possível sair do que você faria melhor e tentar fazer algo totalmente diferente. Em geral, o resultado não será satisfatório e é provável que em até dois anos, haja desistência. Mas, como disse, alguns conseguem superar a infelicidade cotidiana (penso que não totalmente) na medida ideal para continuar. O que me parece masoquismo.

O que é importante aqui é o fato de que o projeto de fazer algo que extrapole o seu próprio perfil provavelmente não terá força o suficiente para sobreviver no longo prazo. Aliás, este é uma dos mais fortes critérios que utilizamos em Orientação Profissional: esta escolha terá consistência com seu modo de ser, terá a autenticidade necessária para ser longeva?

Um fechamento aberto

Há alguns dias atrás estava com minha filha, passeando pelo Parque das Águas, aqui na minha querida São Lourenço, e encontrei um livro muito interessante do Gibran. Se você não conhece Kalil Gibran, recomendo que conheça. Neste livro, intitulado “A sabedoria de Gibran”, encontrei este pensamento:

“É errado pensar que o amor resulta de longo convívio e perseverante namoro. O amor é o produto da afinidade espiritual e, se essa afinidade não for criada num momento, não o será em anos e mesmo em gerações”.

Penso que o mesmo é válido para o amor ao trabalho…

Leia também – É possível ter sucesso em qualquer área?

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Problemas de Relacionamentos ou Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913