Olá amigos!

Com a minha experiência no consultório, nunca canso de me admirar com as diferenças individuais. As pessoas são muito diferentes umas das outras e a individualidade é um tema caro para a psicologia, com toda certeza. Apesar de “cada um, cada um”, nós notamos muitos padrões de comportamento que se repetem. Hoje, gostaria de conversar com vocês sobre o prazer e a dor, ou, em outras palavras, sobre o que você gosta e o que você não gosta.

Como diz Anthony Robbins: “Não posso enfatizar com veemência suficiente que a maneira como você associa a dor e o prazer vai moldar seu destino”. Destino aqui quer dizer não um elemento místico, mas simplesmente o modo, a direção, o caminho que a vida de cada um vai tomando.

Por exemplo, esses dia vi no National Geografic um documentário sobre uma mulher com mais de 280 quilos. A primeira pergunta que nos veem à mente é: como ela deixou chegar neste ponto? O documentário explica: todo o prazer da vida dela estava na alimentação, em comer muito comidas gordurosas. Com o tempo, ela ganhou peso e chegou a um ponto que não conseguia mais sair da cama. Entretanto, isto não a impediu de continuar comendo e comendo, pois a dificuldade de locomoção não alterou o padrão por trás do seu comportamento alimentar, que, em poucas palavras, pode ser descrito como prazer em comer.

Quando vamos analisar o prazer e a dor por trás dos comportamentos das outras pessoas – e dos nossos comportamentos – ficaremos surpreendidos como este tipo de análise, embora simples, pode explicar muito. Como nós podemos explicar um atleta que se sujeita a correr 42 km em uma maratona? Como podemos explicar para uma pessoa tímida uma pessoa que só quer aparecer e ser conhecida na TV? Como explicar para um avarento uma pessoa que tem vício em comprar?

Prazer e dor – Gostar e não gostar

O objetivo deste texto não é apenas teórico. Gostaria que você passasse a observar mais em seu dia-a-dia as coisas com as quais você associa o prazer e as coisas com as quais você associa dor. Deste modo, você estará se conhecendo mais e não só: terá também a oportunidade de criar mudanças mais duradouras.

Imagine alguém que está um pouquinho acima do peso e quer emagrecer. O caminho para o emagrecimento todos conhecem, comer menos e gastar mais. Porém, será que comer menos será visto como prazeroso? Será que fazer mais exercício será visto como dor? Porque se for desta forma, em pouco tempo o padrão de comportamento anterior voltará, com comer mais do que o necessário (porque é prazeroso) e não fazer exercício (porque é doloroso).

Podemos usar este esquema simples para muitas outras atividades.

Um aluno que não estuda com certeza associa dor, desprazer, dificuldade com o estudo. Se fosse para avaliar e colocar atividades que mais gosta e menos gosta, estudar poderia estar entre os que não gosta.

Pode parecer simplista colocar deste modo, mas, como disse acima, dividir os sentimentos e os comportamentos em dois grupos (inicialmente) nos ajudar a esclarecer os motivos, as razões, as motivações e porque de haver ou não haver mudança.

Porque, afinal, o sentimento, a emoção é uma das possibilidades de avaliação que temos para julgar o que devemos ou não devemos fazer em seguida. E é provavelmente mais importante para a maioria das pessoas do que a razão, do que o pensamento, do que a lógica. (Falaremos sobre esta questão em nosso Curso de Neurociências Online Grátis). Como diz Sir Thomas Brown: “Os homens vivem por intervalos de razão, sob a soberania do humor e da paixão”.

Como mudar o caminho mudando o prazer e a dor

Diversas pesquisas apontam que o desprazer, a dor, o sofrimento é mais relevante para a mudança (ou não mudança) do que o prazer. Quer dizer, as pessoas fazem mais para evitar o desprazer do que para buscar o prazer. Com esta informação da psicologia clínica e da neurociência em mãos, podemos imediatamente colocar em prática.

Por exemplo, se você não quer fazer exercícios físicos na academia. Porque você não quer fazer? Porque é repetitivo? Por causa das pessoas que a frequentam? Por causa do horário? Do trânsito? O que você está evitando para não ir fazer exercício?

Sabendo que, por exemplo, o que lhe incomoda é a repetição, você poderá tomar uma decisão. Ao invés de fazer musculação você pode buscar um outro tipo de atividade física, como o pilates. Se você não quer ir porque é longe, você pode encontrar uma academia mais perto ou comprar aparelhos e fazer exercícios em casa.

Em suma: você poderá parar de dar desculpas (que visam a fuga da dor), entender o processo interno e buscar uma forma alternativa e mais prazerosa para que a mudança comportamental seja definitiva.

Também é muito útil pensar no objetivo final. Se é emagrecer, você não vai ficar imaginando o esforço físico (a dor), mas sim imaginando como ficará o seu corpo em alguns meses, mais saudável ou bonito. Uma dica simples é imaginar o seu corpo já saudável e bonito agora e assim você acelera o processo.

Conclusão

Gostaria que este texto fizesse com que você passasse a prestar mais atenção nos seus esquemas de prazer e dor. Você também pode avaliar o que você quer mudar em sua vida e porque não está conseguindo uma mudança permanente.

Com diz Robbins: “O segredo do sucesso é aprender como usar a dor e o prazer, em vez de deixar que usem você. Se fizer isso, estará no controle de sua vida. Se não fizer, é a vida quem controla você”.

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Terapia Cognitivo Comportamental, Problemas de Relacionamentos, Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913