Olá amigos!

Lembro como se fosse hoje uma conversa que tive com um amigo da faculdade de psicologia que já estava se formando. Eu estava no começo da faculdade e ele me explicava, através da psicologia comportamental, o motivo pelo qual as pessoas continuam bebendo mesmo depois de terem ressacas terríveis. O motivo é simples: a consequência aversiva (a ressaca) aparece muito tempo depois da ingestão do álcool. Se a consequência fosse imediata – mal-estar, dor de cabeça, enjoo – quem continuaria bebendo?

Neste texto, quero utilizar este exemplo para conversarmos sobre as consequências longínquas do que fazemos. Existem vários ditados interessantes, como “Devagar e sempre” ou “De grão em grão a galinha enche o papo” que passam mensagem idêntica. Quer dizer, se você começar a emitir um novo tipo de comportamento, que consequências terá depois de alguns meses ou anos? E se parar de emitir outros comportamentos, destrutivos ou nocivos, o que isto significará na sua vida mais a frente?

Vejam esta interessantíssima citação do livro Vida Perfeita: comentários aos Versos de Ouro dos Pitagóricos, de Paul Carton:

“Prevê bem as consequências ainda as mais afastadas, de cada uma das tuas decisões, para não teres depois do que te arrepender. O que contribui para tornar os homens desgraçados, é também a sua curta vista, isto é, essa espécie de miopia intelectual que os faz considerar apenas o resultado imediato, material, tangível, e factício das suas ações. Caminham na vida como se levassem antolhos, guiando-se só pelos fins próximos, fáceis e ilusórios, sem suspeitarem que criam assim longínquos obstáculos, nos quais irão esbarrar. Para esses semicegos, tudo o que se não paga imediatamente é considerado como que sem recompensa ou sem punição. Toda a sanção que não vem logo é inexistente. E quando chegam as longínquas expiações, que são as mais pesadas, porque a adição das faltas foi se prolongando, são atribuídas ao acaso, ao jogo das circunstâncias exteriores e por forma alguma à conduta anterior do indivíduo. É por isso que tantos fatos da vida parecem inexplicáveis ou imerecidos! Os erros de conduta diária, que criam tantas doenças físicas e misérias morais, são resultante deste desvio da atenção para os mais próximos resultados, em prejuízo das consequências mais afastadas”.

Por exemplo, se você fuma, pode acreditar que um cigarro a mais ou um a menos não fará tanta diferença. Porém, o acúmulo destas ações – no longo prazo – trará consequências para a sua saúde. No futuro, se você tiver uma pneumonia ou uma doença ainda mais grave como um câncer poderá atribuir o resultado ao destino, ao acaso, à sorte, porém, tudo terá sido efeito das ações repetidas e cotianas. O pensamento também é válido para a mentira, a preguiça, a raiva, o rancor…

Por isso, pergunto: e se você continuar fazendo o que está fazendo? E mais: e se você começar a fazer diferente?

E se você começar a estudar piano todos os dias? E se estudar uma língua estrangeira? E se você tentar aprender uma nova habilidade, como falar em público, dançar tango, parar de reclamar?

Há um tempo atrás eu conheci um projeto muito interessante do google, chamado Schemer. Era uma espécie de rede social de projetos, desejos ou sonhos. Funcionava da seguinte forma: você criava o seu perfil e listava um sonho, por exemplo, aprender sueco. Imediatamente, você encontrava pessoas que também desejavam aprender sueco ou já aprenderam. Desta forma, era possível encontrar referências para este aprendizado, estímulo para continuar e buscar mais e, de forma inversa, você podia compartilhar com as outras pessoas o que você já realizou.

Infelizmente, o projeto não se popularizou muito e foi incorporado agora pelo Google Plus. Mas o que eu gostaria de mostrar, com o Schemer, é a ideia de fazermos uma lista completa do que queremos fazer, dos nossos sonhos, desejos, vontades. De vontades pequenas, como ir até uma praia, ler um livro que acabou de sair até os grandes projetos como terminar uma  faculdade, ter filhos ou se tornar um super expert em uma matéria.

Enfim, a ideia que tive para este texto é bem simples, embora possa transformar em muito a nossa vida. Como se diz, a semana é longa e o ano é curto… ou seja, podemos nos perder no dia-a-dia, mas se estruturarmos um pouco melhor os nossos projetos, aos poucos, poderemos ir muito longe.

Se nos dedicarmos 30 minutos todos os dias (deixando de ver um programa de TV ou uma série), imagine: serão mais de 10.000 minutos em um ano!

E se você continuar fazendo o que está fazendo? E se você parar de fazer o que está fazendo e começar a fazer diferente?

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Terapia Cognitivo Comportamental, Problemas de Relacionamentos, Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913