Olá amigos!

Quando vamos pensar em questões ligadas à Orientação Profissional, área da psicologia que lida com a escolha da faculdade e/ou carreira, uma forma útil para simplificar é dividir as decisões em três quesitos: dinheiro, rotina, missão de vida. Neste texto, vou falar sobre cada uma destas funções, com o intuito de que a decisão sobre qual caminho seguir fique não só mais fácil como mais leve.

Pois escolher o que queremos fazer profissionalmente pode se tornar em um grande peso pouco antes do vestibular ou durante a faculdade ou, ainda, depois quando adultos e algo dá errado nas finanças ou no cotidiano de trabalho. Eu divido nestes três quesitos, então, para mostrar que dinheiro, rotina e a missão de vida podem não caminhar juntos, de forma necessária. Vou explicar.

Ganhar muito dinheiro

Existem muitas áreas de atuação que não permitem altos salários. Isto faz com que muita gente desista de seguir o que o seu coração diz para seguir porque já imaginam que não vão conseguir pagar suas contas e realizar os seus sonhos como comprar um apartamento ou aquele carro ou ir para Paris todo ano.

Claro que ganhar muito dinheiro é sempre interessante, porque os recursos permitem com que façamos mais por nós e por aqueles que estão próximos. Porém, desistir de uma área apenas porque “não dá dinheiro” ou “porque você vai passar fome” ou “porque é dar murro em ponta de faca” não faz tanto sentido. Não faz tanto sentido se dividirmos a Orientação Profissional nas 3 partes que disse acima.

Digamos que o seu sonho seja ser professor. As licenciaturas tem sido muito desvalorizadas nas últimas décadas. Quem tem hoje 70, 80 anos viveu em uma época em que ser professora era valorizado (não só com grana), mas também com status. Quem era professora era uma mulher respeitável, séria, competente. Com a constante diminuição dos salários, problemas nas escolas, poucas pessoas atualmente comentam que tem esta vontade.

Então todos devem desistir de carreiras ligadas à Licenciatura?

Bem, se analisarmos o fato de que professores universitários recebem altos salários (acima de 10 salários por mês), podemos ver claramente que não dá para associar carreira acadêmica com baixos salários. Ou melhor, não é possível generalizar dizendo que todos ganham mal.

Além disso, se pensarmos que podemos seguir o nosso sonho, o que eu chamo aqui de “missão de vida”, e ganhar dinheiro de outras formas, não vamos colocar todos os ovos na mesma cesta, como dizem os economistas na criação de carteiras de investimentos. Em outras palavras, não vamos querer que uma profissão nos dê tudo.

Rotina – Ossos do ofício

Além de tudo o que gira em torno de ganhar o próprio sustento e construir sua vida, temos que observar – quando vamos escolher sobre a carreira futura – o que será a rotina de trabalho. Alguém pode achar lindo ser dentista, mas ao ir para o consultório e atender um paciente, poderá desistir, seja porque o paciente não pode conversar muito com você enquanto está de boca aberta para os procedimentos ou porque a posição na cadeira do dentista é ruim ou é cansativo fazer sempre os mesmos movimentos.

Com isso, carreiras são abandonadas pelo que chamamos de ossos do ofício, dificuldades inerentes ao exercício da profissão.

Um vendedor pode encontrar clientes chatos, um psicólogo pode ter que acordar cedo, um engenheiro pode ter que viajar sempre à trabalho. Enfim, cada carreira, ou melhor, cada trabalho específico pode exigir uma rotina, um cotidiano, uma forma de estruturação que pode – ou não – ser desejável.

Podemos também considerar a rotina não só em termos da relação que temos com o trabalho, mas também a rotina em geral, na nossa vida pessoal. Logo mais falarei sobre esta parte.

Missão de vida

Falar em missão de vida pode soar como religião. Porém, é um meio de dizermos sobre o que nós queremos contribuir para o mundo. Nem sempre o nosso trabalho permite uma ação direta da forma como gostaríamos.  Se você adora cachorros e fica mal toda vez que vê um cão passando fome ou doente, mas trabalha com vendas, você não está ajudando diretamente os cachorrinhos. Mas é possível contribuir para “mudar o mundo” através de ações ligadas ao voluntariado ou à caridade, neste caso. Aos finais de semana, a pessoa pode se dedicar ao canil da cidade ou encontrar patrocinadores ou verbas para a sua manutenção.

As pessoas falam que uma vida fica completa quando plantamos uma árvores, temos um filho e escrevemos um livro. O ideal de vida, porém, é extremamente individual. Sobre o que eu chamo aqui de missão de vida, também. Alguns podem ter ideias religiosas e espirituais, outros podem ter a vontade de ter uma banda ou cantar em um coral que viaje o mundo ou estudar profundamente todos os filósofos ocidentais.

A missão de vida, portanto, é o que vai de acordo com o seu coração, com a sua vontade mais íntima que se liga à vontade de ajudar o mundo de alguma forma. Pode ser uma forma útil como ajudar na construção de um hospital ou em uma forma artística ou lúdica ou caridosa. Uma boa forma de pensar na missão de vida é imaginar o que queremos deixar para as próximas gerações.

Juntando e separando as partes

Quando nós vamos pensar na faculdade que vamos fazer, no curso técnico ou qual trabalho nós queremos ter e manter ao longo dos próximos anos, podemos focar em tudo, sem conseguir juntar todas as peças que nos darão a sensação de estarmos completos, de estar na direção de realizar nosso pleno potencial.

Por exemplo, quando eu fui escolher a minha profissão, eu pensava que a psicologia poderia me completar pois eu poderia ajudar as pessoas na clínica (próximo à minha ideia pessoal de missão de vida), eu poderia ganhar dinheiro e viver bem, embora muitas pessoas me dissessem como dizem – que os psicólogos ganham mal – mas ainda faltava uma parte para um fator que tem impacto no que eu gosto de fazer – como rotina. Eu adoro escrever e pensei seriamente, por isso, em fazer jornalismo.

Um psicólogo não escreve, certo? Um psicólogo clínico não, embora possa escrever livros ou também seguir pela carreira acadêmica (como tenho feito). Por isso, consegui juntar esta parte que faltava criando este site. Um aspecto que faltava no meu cotidiano, na minha rotina, era a escrita. Na época, nem imaginava de ter um site, mas lembro de ter pensado que poderia escrever textos para jornal, nas seções de editoriais, não na parte de reportagem. E pronto, consegui juntar o dinheiro, a rotina, a missão de vida.

Para muita gente, entretanto, juntar todas estas partes em uma única profissão pode ser impossível. Vou dar alguns exemplos:

Um amigo meu ganha dinheiro sendo dono de lojas, tem como rotina o trabalho de consultor de treinamentos para empresas e considera sua missão de vida dar aulas de meditação. Um outro amigo, é músico como missão de vida, tem como rotina dar aulas de instrumentos e ganha dinheiro com as aulas e fazendo shows. Neste exemplo, pode parecer que tudo está ao redor da música, é verdade, embora a rotina de ser professor insere um outro elemento.

Uma pessoa pode ter como sonho dar aulas de filosofia, ganhar dinheiro com vendas porta-a-porta e ter como rotina cuidar da casa. Outra pode ter como sonho ou missão de vida ter filhos, e tê-los, ganhar dinheiro com a renda proveniente de uma herança e ter como rotina viajar com o marido. Uma pessoa pode ganhar dinheiro na bolsa de valores, ter como sonho criar um produto inovador e trabalhar em uma grande indústria como engenheiro, uma outra pessoa pode ter como missão de vida ser pastor em uma igreja, trabalhar como vendedor e ter como rotina falar cada hora com um possível cliente.

Enfim, a ideia central deste texto é que os quesitos profissionais de missão de vida, rotina e dinheiro podem estar relacionados. Frequentemente estão, mas nem sempre e não é necessário que estejam. O que é ainda mais central no texto é que podemos nos encontrar, dividindo cada função, cada parte, em ações diferentes.

Se uma carreira não dá dinheiro ou se não dá tanto dinheiro como você imagina, porque não seguir a carreira dos seus sonhos mas ganhar dinheiro de outra forma? Porque não ter a rotina dos seus sonhos, viajando ou trabalhando em casa, e continuar o que você pensa contribuir através de ações no final de semana? Se a rotina está lhe cansando ou estressando porque não encontrar uma rotina mais calma e tranquila?

Sei que as necessidades materiais imediatas podem ser utilizadas como uma desculpa. Não posso sair do emprego porque tenho contas a pagar, tenho que me sustentar ou sustentar minha família, etc. Mas é possível encontrar alternativas, desde que busquemos.

Aqui em minha cidade muitas pessoas trabalham no comércio. E, neste sentido, existem lojas e lojas. Certas lojas exigem muito e certas lojas exigem pouco (outras tem muito trabalho apenas no sábado e em feriados). De forma que quem precisa ganhar dinheiro, ter ao menos um salário fixo, pode encontrar uma loja com uma rotina mais pacata e utilizar o tempo disponível, esperando entrar clientes, estudando para a faculdade…

O que é interessante é que podemos mudar cada uma destas questões sem mudar totalmente a nossa vida. Eu posso continuar trabalhando com psicologia e aprender a investir em ações. E, em um médio prazo, ganhar mais com ações do que com psicologia. O que, por sua vez, não impede de continuar o meu trabalho como psicólogo. Ou eu posso passar a atender meus pacientes apenas no período da noite e dedicar o dia para cuidar da minha vida pessoal. Entendem? Posso mudar minha fonte de renda, posso mudar minha rotina de trabalho e continuar sendo psicólogo.

É fantástico estarmos vivendo em um período de possibilidades. Alguns autores chamam isto de identidades cambiantes, ou seja, podemos assumir diversas personalidades em um dia. Na faculdade em São João del-Rei, conheci um bombeiro que cursava história (e se formou), conheci uma dona de casa, mãe de dois filhos, que era professora universitária, conheci um médico renomado que dava aulas na psicologia, enfim, os exemplos estão ai para vermos e pensarmos.

E você? O que acha?

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Problemas de Relacionamentos ou Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913