Recentemente, eu publiquei um texto sobre as razões para escolher a profissão e a faculdade de psicologia. Recebi diversas respostas por email, fazendo perguntas, desejando uma análise pessoal com o objetivo principal de saber se a psicologia seria o caminho correto a seguir. Se você ainda não leu o texto, pode ler aqui – Porque fazer a faculdade de Psicologia

Então, como recebi diversos emails de pessoas com interesse de saber se seu perfil era adequado, decidi escrever uma série de textos sobre a escolha profissional, não só da psicologia (e de áreas afins) mas também de diversas faculdades. Neste primeiro texto, vamos dar algumas Dicas básicas para escolher a faculdade e profissão certa!

Para receber os próximos textos, cadastre seu Email para receber os textos de forma gratuita!

Dica 1) Analise seus pontos fortes

Todos nós temos características pessoais que nos fazem únicos. No máximo, podemos dizer que somos parecidos com algumas pessoas que tem características parecidas. Estas características de personalidade constituem o que chamamos Perfil Profissional. Cada área profissional e, claro cada faculdade, terá um perfil mais ou menos padrão. Vou dar um exemplo para ficar bem claro.

Quando trabalhei com Recursos Humanos, a área da psicologia que trabalha com empresas, em Treinamentos, Recrutamento de Pessoal, Seleção de Pessoal, fazia o trabalho de escolher candidatos para empresas pequenas, médias e grandes. Quando surgia uma vaga, a empresa solicitava que escolhêssemos candidatos com formação e perfil profissional para preencher seu quadro de funcionários.

No mesmo dia, fazia a Seleção, por exemplo, de uma vaga para vendedor externo e de uma vaga para contador.

O perfil de vendedor é de pessoas extrovertidas, hiper comunicativas, abertas, expansivas, enquanto que o perfil de contador é, em geral, o oposto. Como a atividade de contabilidade é geralmente técnica, dentro de um escritório, mexendo com cálculos e dados, as pessoas que fazem a faculdade ou o curso técnico de contabilidade são mais reservadas, introvertidas, caladas, quietas.

Neste exemplo, podemos perceber que vagas diferentes exigem perfis diferentes. Um vendedor externo não consegue cumprir bem as atividades de um contador (se este fizer apenas atividades técnicas que não sejam de auditorias externas) e o contrário também é verdade.

A primeira dica é a de conhecer os seus pontos fortes, conhecer a si mesmo, de forma que você saiba desde já que determinadas atividades são para você, e outras atividades não são. Claro que podemos aprender e nos comportar tal qual um emprego exige. Porém, a longo prazo não conseguimos sustentar e acabamos desistindo da vaga sendo perda de tempo para o funcionário e para empresa.

Também a escolha da faculdade segue o mesmo princípio. Se eu tenho facilidade para a área de exatas, provavelmente não conseguirei estudar com dedicação outras áreas como humanas ou biológicas. Posso até conseguir estudar por um tempo, mas ficar 4, 5 anos estudando temas desinteressantes é frustante e, no fim das contas, perda de tempo e de dinheiro.

Dica 2) Conheça a área desejada

Se a primeira dica diz para nos conhecermos, a segunda diz para conhecermos a área que temos interesse. Muitos escolhem a faculdade e a carreira baseando-se em expectativas ilusórias. Estudar jornalismo porque “um jornalista viaja muito” ou estudar psicologia “porque sou um bom ouvinte” podem ser até esperanças e formas de considerar a profissão que podem ser relevantes. Afinal, um jornalista pode realmente viajar o mundo pela sua profissão e um psicólogo pode trabalhar na clínica e passar o dia a ouvir e a conversar com seus pacientes.

Contudo, é preciso conhecer a fundo, conhecer profundamente, em todos os detalhes os seguintes pontos

a) quais as matérias são estudadas na faculdade ou curso técnico

b) quais as possíveis atividades profissionais que podem ser desempenhadas depois de formado

Por exemplo, um psicólogo pode trabalhar em empresas (muito próximo a Admnistração de Empresas) não ficando limitado ao consultório. Pode trabalhar em escolas, hospitais, fórum, dar aulas, etc.

Um jornalista pode trabalhar em casa, ou então se especializar em áreas bastantes específica como economia, esportes, etc ou trabalhar em jornais escritos, rádio, TV.

O importante desta dica, então, é saber que existem possibilidades de trabalho que não são muito conhecidas e que podem ser exatamente o que estamos procurando.

Dica 3) Converse com profissionais já formados e trabalhando

Esta dica vem juntar as duas anteriores. Se você já fez o levantamento de seus pontos fortes, de suas características de personalidade, e juntou todas estas informações com a profissão desejada, agora é hora de conversar com pessoas que já fizeram o percurso que você deseja fazer no futuro.

Desta forma, as ilusões sobre a profissão são desfeitas, outras ideias surgem, caminhos mais curtos, oportunidades em certas áreas inexploradas aparecem e assim, podemos, finalmente descobrir que aquela área desejada é ou não é para nós.

Mas converse com muitos profissionais. Conversar apenas com um não adianta. O risco seria encontrar alguém desiludido e que acabou se decepcionando. Isto poderia nos frustar de modo negativo, mostrando uma realidade que nem sempre é a realidade de outras pessoas.

Por isso, é muito recomendável conversar com profissionais – bem sucedidos e mal sucedidos – além de profissionais especializados em trabalhos diferentes uns dos outros.

Dica 4) Faça Orientação Profissional

Quando tive que escolher qual faculdade fazer, fiquei em dúvida. Gostaria de fazer todas as faculdade de humanas como letras, filosofia, história, pedagogia… Pesquisei sobre todas elas mas mesmo assim, sozinho, não fui capaz de focar em apenas uma. O jeito foi fazer Orientação Profissional.

A Orientação Profissional, com um psicólogo ou psicóloga, ajuda a percorrermos estes pontos sobre os quais falamos no texto, ajuda a conhecer nossos pontos fortes – através de técnicas específicas da psicologia – bem como auxilia na pesquisa, na busca por informações a respeito de cada possibilidade.

Em geral, são feitas de 10 a 12 sessões. Porém, as vezes acontece de serem realizadas mais ou muito menos. No meu processo de escolha, apenas uma única sessão foi suficiente, pois a psicóloga fez a pergunta certa que me levou a escolher psicologia. Claro que nem sempre este é o caso, e dependendo de cada um, podem ser feitas até 20 sessões.

Atualmente, é possível para todos fazer a Orientação Profissional nos consultórios de psicólogos que sejam inscritos no Conselho Federal de Psicologia e profissionais que tenham um site e o Selo de Credenciamento. Ou seja, é possível fazer a Orientação Profissional Online, sem sair de casa.

Saiba mais detalhes – Orientação Profissional Online

Seja presencial ou online, recomendo que você faça – se ainda tem dúvidas. Fazer a Orientação Profissional fará com que você economize tempo e dinheiro, já que se fizer a escolha certa desde o começo, não terá que iniciar um caminho e depois escolher novamente.

Qualquer dúvida, deixe uma resposta abaixo!

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness e Pós-Doutorando (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade), fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online e Orientação Profissional Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913