Já havia escrito há um tempo atrás, sobre o fato de que cada um de nós vai conviver com uma pessoa a vida toda. Esta pessoa é, justamente, o eu de cada um. Ou seja, eu vou conviver a vida toda comigo mesmo, pois não há possibilidade de tirar férias de si mesmo. Ao menos, por enquanto. E se assim é, é importante pensarmos o seguinte:

Como você se vê?

  • Você se aceita como você é ou está no momento?
  • Existem muitas coisas que você gostaria de mudar?
  • Você está sempre se criticando? Ou você se aceita totalmente?
Mirror
Espelho – Como você se vê?

Responder sinceramente à estas perguntas é importante porque o primeiro passo, sempre, é reconhecer aonde estamos, de que forma estamos.

Auto-estima quer dizer estimar a si mesmo. Estimar o eu, o corpo, a alma. Milhares de estudos já comprovaram que pessoas que se aceitam tendem a ficar menos doentes (física e mentalmente), e tem, em geral, uma qualidade de vida melhor quando comparadas com pessoas com baixa auto-estima.

Então, o que causa ou gera a auto-estima alta? A auto-estima que provoca consequências positivas ou, para dizer em poucas palavras, o amor a si mesmo?

Será que são as situações externas (ter uma boa família, uma boa casa, um bom trabalho e boas relações inter-pessoais?) é que causam a auto-estima alta ou será que é o inverso, ou seja, ter uma auto-estima adequada é que permite a cada um de nós ter uma boa família, uma boa casa, um bom trabalho e boas relações inter-pessoais?

Em resumo:

Muitos terapeutas argumentam que o principal em um tratamento psicoterápico é, não só a resolução de problemas, conflitos e sintomas, mas o desenvolvimento de uma maior aceitação de quem somos, de nossos defeitos e qualidades.

Evidentemente, aceitar até os próprios defeitos não significa ficar paralisado e não mudar nunca. Como se dissesse: “Ah, eu sou assim mesmo. Está bom assim, para que mudar?” Ora, a aceitação é o primeiro passo, mas não o único.

Reconhecer que somos do jeito que somos no momento presente é importante para desenvolver uma auto-estima mais adequada. Mas à medida em que realmente nos aceitamos, acontece algo paradoxal, algo incrível e contraditório: aceitamos nós como nós somos, e, aceitando, podemos começar a mudar, a melhorar, a nos aperfeiçoar em áreas, situações ou circunstâncias em que, normalmente, não nos daríamos bem.

Portanto, comece a se questionar se você se aceita e quais pontos não aceita e gostaria de mudar. O passo seguinte, então, é começar a pensar e a pesquisar modos para poder mudar, formas e jeitos de fazer diferente para poder, consequentemente, sentir e pensar de um modo mais feliz sobre si mesmo.

Por isto, também sugiro a leitura de nossa série de textos sobre – Como mudar

E todos os nossos textos sobre Dicas Práticas

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Terapia Cognitivo Comportamental, Problemas de Relacionamentos, Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913