Alguns psicólogos americanos defendem, atualmente, a criação de uma nova doença mental – o vício em internet. Esta nova doença teria as características de outros vícios, como o vício em drogas, jogo ou sexo. Outros psicólogos, por outro lado, criticam esta suposta doença.

Neste texto, vamos discutir o tema, apontando as duas posições: os que defendem a existência e até o tratamento para os viciados em internet (e, assim, haveriam, os viciados em facebook, twitter, jogos online, sites pornográficos, entre outros) e os que acham que esta nova doença não existe.

Todos nós conhecemos pessoas que não conseguem ficar nem um dia, talvez nem algumas horas sem acessar a internet e olhar as redes sociais, emails, blogs… A característica comum, deste suposto vício ou dependência, seria:

– compulsão (a pessoa não consegue ficar sem);

– tolerância (a pessoa precisa de mais tempo para ter a mesma satisfação)

– abstinência (com a ausência do uso, a pessoa apresenta sintomas de ansiedade, stress, desconforto, etc).

Estas seriam as principais características – que são comuns a todo e qualquer vício.

Há os que defendem a existência desta doença

De acordo com Kimberly S. Young, diretor do Centro de Recuperação para Vícios em Internet, “Os viciados em internet sofrem de problemas emocionais como depressão e desordens de ansiedade e frequentemente usam o mundo da fantasia da internet para escapar, psicologicamente, de sentimentos desprazerosos ou situações estressantes”.

É interessante notar que nos EUA já existem clínicas para tratar os viciados em internet – como podemos notar na citação de Kimberly S. Young acima.

Há os que defendem a não-existência desta doença

Outros psicólogos e psiquiatras criticam a criação de mais uma doença mental. Para estes, os comportamentos de alguém que seria viciado em internet já foram descritos e catalogados em outras doenças mentais. Com isso, não haveria a necessidade de outra doença para descrever o que já foi descrito, por exemplo, em transtornos de ansiedade.

Outra questão é que a internet é um meio e descrevê-la como estando relacionada a uma forma de doença específica abriria espaço para uma série de doenças relacionadas, como vício em telefone ou celular.

Nesse sentido, o vício em internet seria semelhante ao vício em comida, no qual a pessoa utiliza a comida (como um meio) para fugir ou escapar de seus sintomas de ansiedade, depressão ou outros, sem haver o vício em comida, em si.

Dizendo em outras palavras, considerar o vício em internet (ou o vício em facebook, por exemplo) um vício específico, diferente dos demais, seria confundir os dois campos de problema. Ou seja, confundir o meio através do qual um determinado vício se manifesta (internet, comida) com a doença que, seria, realmente outra (ansiedade, compulsão, etc).

Outra questão, e talvez a mais importante, é que a internet é atualmente utilizada em diferentes contextos, e cada vez mais, é essencial no trabalho das pessoas. Uma pessoa que trabalha na internet, e que fica 8 horas ou mais online, seria viciada em internet?

Utilizar o tempo de uso como critério é extremamente equivocado. Do mesmo modo como não consideramos alguém que trabalha com uma enxada como viciado em enxada, não podemos considerar alguém que trabalha com internet, viciado em internet.

Com isso, o tempo de uso seria descartado para dar lugar à função do uso.

Alguém que usa a internet durante longas e longas horas seria viciada se a função fosse para jogar um jogo online? Para ficar horas nas redes sociais como facebook, twitter, tumblr, orkut? Para ficar apostando ou vendo sites adultos?

Ou a função seria menos importante do que as caraterísticas de todo e qualquer vício: compulsão, tolerância e abstinência?

Na minha opinião pessoal, não devemos incluir mais uma doença mental no extenso levantamento feitos pelos americanos no DSM-IV.

Veja mais detalhes, aqui: Doenças Mentais

Sobre o DSM-V (o próximo volume a ser lançado) e as críticas que já estão sendo feitas, clique aqui: Carta aberta para o DSM-V

Em minha opinião, o critério para denominarmos uma doença mental como doença mental é o sofrimento – se ele é existente ou não. Nesse sentido, é até indeferente a existência ou inexistância do vício em internet.

A pessoa que utiliza a internet e se auto-intitula viciada em internet sofre com isso? Isso causa algum sofrimento para alguém que é do seu convívio? Para família, amigos?

Se causa sofrimento, podemos pensar em uma forma de acabar com o sofrimento. Se há dependência (leve, moderada ou grave) e essa dependência causa sofrimento, podemos começar a pensar em um problema a ser tratado – mas não em uma doença.

Enfim, é sempre útil lembrarmos da frase de C. G. Jung: “Qualquer vício é ruim, não importa se seja álcool, morfina ou idealismo”.

E porque qualquer vício é ruim? Porque, ao colocar a pessoa em um estado de dependência, há a privação da liberdade. E, sem liberdade, a vida se limita…

Leia também:

Dependência química?

Sobre a dependência mental

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness e Pós-Doutorando (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade), fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online e Orientação Profissional Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913