“Todo mundo sabe que nós temos complexos. O que poucos sabem, entretanto, é que os complexos podem nos ter…” (Carl Gustav Jung). 

Olá amigos!

Há mais de 100 anos, Jung – que colaborou com Freud por cerca de 7 anos e criou a Psicologia Analítica – estava realizando os seus famosos Estudos Experimentais. Nestes trabalhos, que depois foram reunidos no 2° Volume de suas Obras Completas, a metodologia científica experimental era utilizada para estudar o funcionamento mental e emocional de pacientes psiquiátricos e pessoas sem distúrbios mentais. O resultado dessas pesquisas, entretanto, mostrou que tanto doentes mentais graves como pessoas comuns possuíam complexos. Vamos à definição:

O que são complexos?

Complexo é um termo criado para designar uma palavra ou grupo de palavras que ativam emoções. São também chamados de complexos de tonalidade afetiva, justamente porque tais ideias trazem afetos à tona e, em muitos casos, o indivíduo é totalmente inconsciente desses complexos.

Dissemos que certas palavras ativam emoções, mas, tecnicamente, seria mais correto dizer que as palavras (o som e a imagem que ela traz) estão intimamente unidas com os afetos, com as emoções.

Na psicanálise de Freud, há o termo Complexo de Édipo e na psicologia individual de Adler há o Complexo de Inferioridade. Embora possuam relação – todos estes termos foram criados mais ou menos na mesma época, no começo do século XX – existem também diferenças.

Para Jung, todos nós temos diversos complexos. Conhecemos alguns deles e outros nos são desconhecidos (inconscientes). Para Freud, o Complexo de Édipo é o complexo mais importante, o complexo nuclear das neuroses, enquanto que, para Adler, o complexo mais importante é o Complexo de Inferioridade, que dá ensejo a uma série de comportamentos que visam sobrepujá-lo, ou seja, fazer com que o indivíduo se sobressaia, ultrapasse a sua inferioridade, desejando, assim, ser superior.

Portanto, para Jung estes dois complexos podem existir, mas, em geral, o criador da Psicologia Analítica fala na coexistência de complexos. Por exemplo, uma pessoa pode ter um complexo paterno forte, no qual a palavra pai (o seu nome) e outras palavras relacionadas com o pai real o impactam de maneira muito forte; enquanto outra pessoa tem um complexo sexual e outra tem o complexo de dinheiro. A lista, em si, não teria fim, já que tudo o que pode afetar uma pessoa pode ser descrito como um complexo (afeto ou emoção junto a uma palavra ou grupo de palavras).

Exemplos de complexos

A partir de um teste experimental, o teste de associação de palavras com membros de uma mesma família, Jung conseguiu demonstrar como os complexos de indivíduos que convivem em um mesmo ambiente são praticamente idênticos. Note que interessante:

IMG_2303

Cada linha no gráfico representa uma pessoa, o pai, a mãe e a filha. No eixo x estão dispostas as palavras aleatórias para que cada associasse qualquer coisa que lhe viesse à mente. O eixo y, no caso, representa o tempo que cada um levou para associar (em milissegundos).

Note como a partir da palavra III até a palavra V, tanto mãe como filha praticamente levam o mesmo tempo para responder. Segundo Jung, isso indica que ambas tem um complexo idêntico. Na verdade, se analisarmos todo o gráfico, veremos que mãe e filha apresentam tempo de reação idêntico.

Isso explicaria porque a filha heterossexual escolhe, quando adulta, um parceiro parecido com o seu pai. Em tese, não é que deseje o pai e sim pelo fato de que tem um complexo igual ao de sua mãe. Se sua mãe escolheu um homem alcoólatra, ela também escolhe um homem alcoólatra, razão pela qual os homens escolhidos se parecem.

Veja a semelhança em outras famílias:

IMG_2304

No gráfico da página acima, no primeiro, vemos que acontece fenômeno idêntico com um marido e uma esposa, ou seja, ambos tem o mesmo tempo de reação e os mesmos complexos. No segundo gráfico, que mostra os tempos de reação do pai, da filha 1 e da filha 2, também notamos igual fenômeno. Agora vejamos um gráfico um pouco diferente destes dois:

IMG_2306

Neste último gráfico, notamos que as duas irmãs apresentam tempos de reação praticamente idênticos, porém, podemos notar já uma diferença. Provavelmente, com o casamento, os complexos da irmã casada foram se alterando.

Através destes gráficos, observamos que os complexos – através do tempo de reação em um teste – afetam diretamente o comportamento. Também é digno de nota que pessoas da mesma família apresentam complexos muito parecidos.

Como os complexos determinam a nossa vida?

Mas até aqui falamos pouco sobre o conteúdo dos complexos. Cada palavra marcada por um número nos gráficos acima marca uma palavra relativamente aleatória, mas comum. Em um dos testes, Jung utilizou essas palavras para começar:

  1. cabeça
  2. verde
  3. água
  4. perfurar
  5. anjo
  6. comprido
  7. navio
  8. lavrar
  9. amável
  10. gaveta

Ao responder com a primeira palavra que vinha à cabeça, os pacientes psiquiátricos do Hospital Burgolzli e pessoas que ali trabalhavam (enfermeiros e médicos) iam, na maioria das vezes sem saber, revelando seus complexos.

Por exemplo, um paciente que tinha tentado o suicídio por afogamento demorava para responder na palavra “água” e “navio”. Um outro indivíduo, suspeito de um crime de furto, demorou para responder na palavra “gaveta” porque estava palavra denunciava o seu crime (tinha roubado uma quantidade grande de uma gaveta).

E o que isso tudo quer dizer? O teste de associação de palavras é uma situação criada em laboratório. Como isso funciona no dia a dia?

Bem, no dia a dia, cada pessoa vai dizer e fazer o que estiver relacionado com os seus complexos mais fortes. Por exemplo, uma pessoa que tenha medo de lugares abertos (agorafobia) vai evitar esses lugares como vai, inclusive, evitar de pensar ou imaginá-los, já que a simples palavra ou palavras relacionadas lhe traz a emoção correspondente, no caso, de medo.

Sabe a frase que diz que a boca fala o que o coração está cheio? Nada poderia resumir de maneira mais brilhante o que estamos explicando. Em uma análise ou em uma psicoterapia, o paciente tem o tempo da sessão para falar o que quiser. Porém, como sabia bem Freud, a associação livre não é livre. As associações de ideias vão estar presas aos complexos.

Assim, se se trata de uma pessoa com um forte complexo materno, a mãe vai ocupar quase todo o tempo da sessão. Se é uma pessoa apaixonada, o complexo relacionado à paixão vai fazer igual.

E qual é a importância disso?

Simples: os complexos que temos ativos – quer saibamos deles ou não – acabam coordenando a nossa vida psíquica. O sujeito que não consegue sair de casa está tão dominado por um complexo como o empresário que tem um forte complexo de dinheiro e poder ou o ninfomaníaco que só pensa em suas fantasias. No fundo, e isso reconhece Jung ao final dos Estudos Experimentais, os dois complexos mais presentes são o complexo de poder (dinheiro, reconhecimento, etc) e o complexo sexual (afetividade, se apaixonar, amor, sexualidade).

E, a partir desta constatação, surge a questão de como sair dos próprios complexos…

Bem, é possível ganhar mais liberdade e mais autonomia fazendo um tratamento psicoterápico com um psicólogo ou psicanalista. Mas também é possível ter mais autoconhecimento a partir de outras atividades, como, por exemplo, as práticas da Mindfulness Psychology

Creio que, para encerrar, a frase de Freud seja significativa: Wo Es war, soll Ich werden, o que quer dizer: Aonde estava o Id (Es), que advenha o Ego (Eu – Ich). Em outras palavras, aonde estavam os complexos inconscientes, que haja consciência.

Psicólogo Clínico e Online (CRP 04/25443), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade), fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online e Orientação Profissional Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - [email protected] - Atendimento presencial na Av. Paulista: Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913