Olá amigos!

Marshall Rosemberg desenvolveu a Comunicação Não-Violenta, ou Comunicação Compassiva, para que todos nós pudéssemos nos reconectar com princípios que estão desde sempre dentro de nós, mas que por uma série de razões ao longo da vida vão se perdendo.

Muitas pesquisas na psicologia nas últimas décadas mostram que crianças muito pequenas (entre 1 e 2 anos) apresentam a tendência de querer ajudar, ou seja, apresentam compaixão pelos que estão à sua volta, até por aqueles que não são da família próxima.

Como havia dito no texto de ontem, voltarei a falar mais sobre a CNV em textos e vídeos, com uma introdução maior sobre o termo – não-violência e compaixão – e práticas para nos ajudar a colocar estes princípios que nos reconectam à nós mesmos e aos outros, em breve.

Para começarmos a entender a CNV, temos que entender o conceito de necessidades humanas universais. A maneira mais simples é pensarmos que temos necessidades físicas, certo? Todas as pessoas precisam dormir, precisam de ar, de comida, de abrigo (um lugar para se proteger). Entender que todas as pessoas possuem tais necessidades é tranquilo.

Quando passamos para as necessidades mais “emocionais” talvez surjam dúvidas. Primeiro, leia a lista abaixo das necessidades, traduzi do livro do Marshall, Nonviolent communication, A Language of life.

Lista de necessidades humanas universais

Nutrição física
• Ar
• Comida
• Movimento
• Exercício
• Proteção de formas de vida que ameaçam a vida (vírus, bactérias, insetos, predadores)
• Descanso
• Expressão sexual
• Abrigo
• Toque
• Água

Autonomia

• Escolher os sonhos, objetivos
• Escolher os planos para realizar os sonhos, objetivos, valores

Celebrar

• Celebrar a criação da vida e a realização dos sonhos
• Celebrar perdas: pessoas queridas, sonhos (luto)

Integridade
• Autenticidade
• Criatividade
• Sentido
• Valor próprio

Interdependência
• Aceitação
• Apreciação
• Proximidade
• Comunidade
• Consideração
• Contribuição para o enriquecimento da vida (exercer o próprio poder dando o que contribui com a vida)
• Segurança emocional
• Empatia
• Honestidade
• Amor
• Reconforto
• Suporte
• Confiança
• Compreensão
• Calor (afetuosidade)

Brincar
• Divertir-se
• Gargalhar

Comunhão espiritual
• Beleza
• Harmonia
• Inspiração
• Ordem
• Paz

O que são necessidades?

Lendo os termos da lista, penso que não é difícil perceber que todas as pessoas, horas mais, horas menos, apresentam tais necessidades ao longo de suas vidas. A dúvida sobre as necessidades aparece quando chegamos ao modo de satisfazer as necessidades. E a discordância sobre o modo de satisfazer uma necessidade é fonte de muitos conflitos entre as pessoas e grupos.

Por exemplo, todos precisam de comida. Algumas pessoas escolhem como estratégia para suprir essa necessidade comer carne, outras são vegetarianas, outras são veganas.

Todos nós precisamos nos divertir, mas alguns vão para a balada, outros preferem Netflix, e assim por diante.

Resumindo, todas as pessoas que já viveram, estão vivendo ou vão viver apresentam estas necessidades, elas são universais, independentes do lugar e da cultura. A forma de satisfazer tais necessidades, entretanto, é incrivelmente variada.

Ao percebermos que todos possuímos as mesmas necessidades, conseguimos ter mais compaixão. Se eu quero ir ao cinema e meus amigos querem ir para a balada, tudo bem. Entendendo que a necessidade subjacente é idêntica (diversão), consigo me conectar com eles, embora discordemos da estratégia utilizada nesse sábado a noite. Nesse sentido, não é que queiramos coisas totalmente diferentes. Queremos diversão, mas supriremos a necessidade com estratégias distintas.

Como reconhecer as necessidades nossas e dos outros?

As necessidades estão muito relacionadas com as nossas emoções, com os nossos sentimentos (não vou entrar aqui na diferença conceitual entre emoção e sentimento, usarei como sinônimo).

Emoções geralmente classificadas como negativas (raiva, tristeza) são indicações ótimas para começarmos a investigar as necessidades. São “negativas” porque apontam que uma ou mais necessidades estão “no negativo”.

Se quero muito sentar e conversar com um amigo sobre um problema, e ele chega muito atrasado, posso me sentir triste – enquanto espero – porque não estou tendo a minha necessidade de compreensão atendida.

Se estou com raiva, pode ser que esteja com fome ou pode ser que esteja com sono.

Desta forma, tendo a lista básica de necessidades em nossas mãos, procuramos exercitar a conexão com o que estamos sentindo (agora ou em outra ocasião) e as necessidades que foram ou não foram, estão ou não estão sendo atendidas.

Por exemplo, ontem me senti alegre ao organizar meus livros de psicologia cognitiva. Se me lembrar dessa situação, reconheço:

– o sentimento, a emoção (alegria)
Pegando a lista de necessidades, reconheço:
– a necessidade (ordem).

Neste momento, me sinto feliz por estar escrevendo este texto:
– o sentimento, a emoção (felicidade)
Pegando a lista de necessidades, reconheço:
– a necessidade (criatividade).

Igualmente, fazemos este exercício pensando sobre ou dialogando com uma pessoa ou grupo de pessoas. Recordando que as necessidades são universais, entendo que os outros também vão apresentar sentimentos e comportamentos que visam suprir ou informam sobre suas necessidades.

Se encontro um morador de rua, talvez ele me peça dinheiro para comer (necessidade: comida) ou talvez ele esteja em busca de ser ouvido (necessidade: compreensão ou consideração ou comunidade).

Em muitas situações sociais, fará sentido questionar a pessoa sobre o que ela realmente precisa. Em outros casos, o ideal será identificar a necessidade interna do outro em silêncio.

Este vídeo ilustra bem:

Conclusão

Ao reconhecermos as nossas necessidades e as necessidades alheias, muitas situações de conflito se resolvem e muitos problemas se esclarecem. Afinal, brigamos, discutimos, nos desentendemos não por causa das necessidades, mas pela forma (estratégia) usada.

O que você está sentindo agora? Há uma necessidade atendida para celebrar? Há alguma necessidade que não está sendo suprida e você precisa cuidar?

Há talvez alguma necessidade de compreensão sobre o texto que não foi atendida?

Psicólogo Clínico e Online (CRP 04/25443), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness e Pós-Doutorando (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade), fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online e Orientação Profissional Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - [email protected] - Atendimento presencial na Av. Paulista: Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913