O DSM-5 é o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da APA (Associação Psiquiátrica Americana). Neste texto, vamos abordar o que é um Transtorno Mental e o que não é um Transtorno Mental. 

Olá amigos!

Como todos sabem, estamos com um Curso Completo em vídeo sobre o DSM-5, o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, que foi publicado pela Associação Psiquiátrica Americana (APA) em 2013, em inglês, e em 2014, pela Artmed, em português.

Porém, para começarmos a estudar o DSM é fundamental entender o que é Transtorno Mental. Afinal, o DSM é esta catalogação enorme de Transtornos Mentais, com categorias para o diagnóstico, prevalência, curso, prognóstico e tratamento.

A verdade é que muitos criticam o DSM por ser a-teórico, por ser um instrumento de criação de doenças para vender remédios pela indústria farmacêutica. Porém, como todo conhecimento, o Manual pode ser utilizado para o bem ou para o mal, para transformar pessoas sadias em pessoas doentes ou para transformar pessoas doentes em sadias. Tudo vai depender da prática clínica e dos interesses de quem está praticando.

Também é verdade que o DSM é a referência internacional para as nomenclaturas dos Transtornos Mentais, ou seja, um psicólogo clínico que queira encaminhar um paciente para fazer tratamento psiquiátrico concomitante, terá que utilizar o DSM. É importante notar que o DSM apresenta a mesma nomenclatura que o CID, pois os dois Manuais foram unidos, na medida em que, segundo o DSM-5:

– A existência de duas classificações principais de transtornos mentais dificulta a coleta e o uso de estatísticas nacionais de saúde, o delineamento de ensaios clínicos destinados ao desenvolvimento de novos tratamentos e a consideração da aplicabilidade global dos resultados por agências de regulação internacional;

– Em um espectro mais abrangente, a existência de duas classificações complica as tentativas de replicar resultados científicos entre países;

– Mesmo quando a intenção era a de identificar populações idênticas de pacientes, nem sempre os diagnósticos do DSM-IV e da CID-10 concordavam.

Portanto, o DSM-5 e o CID-11 foram harmonizados e atualmente a listagem das doenças mentais é idêntica tanto em um quanto no outro Manual.

Acima, eu mencionei que uma das utilidades do DSM é o de ser uma referência para o diagnóstico e o tratamento. Desde o começo (nós estudamos a história dos DSM no nosso Curso), o DSM teve dois objetivos básicos:

– uniformizar a nomenclatura e assim facilitar o diagnóstico;

– permitir a estatística, a prevalência de cada transtorno em uma dada população (população internada, população atendida em hospitais, população por faixa etária, por país, etc).

Quem trabalha com clínica e tem o mínimo de respeito pelos pacientes para, deste modo, estudar a fundo todas as teorias, consegue ver a correspondência de um transtorno em uma abordagem teórica com outra abordagem. Por exemplo, quem trabalha com a psicanálise, verá que o que Freud chama de neurose obsessiva é semelhante ao que o DSM (e a psicologia cognitivo-comportamental) chama de TOC, Transtorno Obsessivo Compulsivo.

Mas, se quisermos estudar uma população, digamos, de 1000 pacientes que fazem psicoterapia com um profissional da psicologia – seja de que abordagem for – nós teremos dificuldades de identificar os transtornos mais comuns, os mais raros, já que as abordagens apresentam descrições fenomenológicas e psicopatológicas distintas. Por isso, desde o DSM-I que talvez o principal objetivo do Manual tenha sido esta uniformização – para que os profissionais da saúde mental falassem a mesma língua na descrição do que o paciente sofre, embora, evidentemente, a prática teórica, a abordagem pudesse continuar sendo a mesma.

Então, já que viemos falando até aqui dos objetivos do DSM e de algumas críticas a que são ao livro atribuídas, é fundamental começarmos pela definição:

O que é um Transtorno Mental no DSM-5

Segundo o DSM-5:

“Um Transtorno Mental é uma Síndrome caracterizada por perturbação clinicamente significativa na cognição, na regulação emocional ou no comportamento de um indivíduo que reflete uma disfunção nos processos psicológicos, biológicos ou de desenvolvimento subjacentes ao funcionamento mental.

Transtornos Mentais estão frequentemente associados a sofrimento ou incapacidade significativos que afetam atividades sociais, profissionais ou outras atividades importantes. Uma resposta esperada ou aprovada culturalmente a um estressor ou perda comum, como a morte de um ente querido, não constitui transtorno mental. Desvios sociais de comportamento (por exemplo, de natureza política, religiosa ou sexual) e conflitos que são basicamente referentes ao indivíduo e à sociedade não são transtornos mentais a menos que o desvio ou conflito seja o resultado de uma disfunção no indivíduo, conforme descrito” (DSM-5, p. 20).

Portanto, o principal ponto para começarmos a pensar em um Transtorno Mental – na avaliação clínica de um paciente – é o sofrimento ou incapacitação. Praticamente todos os Transtornos Mentais listados no DSM-5 apresentam como um dos critérios diagnósticos o seguinte:

Critério – Os sintomas causam sofrimento clinicamente significativo ao indivíduo. 

Um Transtorno interessante para pensarmos esta questão do que é ou não é um transtorno é o chamado Transtorno Parafílico, que inclui:

– Transtorno Voyeurista;

– Transtorno Exibicionista;

– Transtorno Frotteurista;

– Transtorno do Masoquismo Sexual;

– Transtorno do Sadismo Sexual;

– Transtorno Pedofílico;

– Transtorno Fetichista;

– Transtorno Transvéstico;

– Outro Transtorno Parafílico Especificado.

Para aqueles que conhecem a psicanálise ou tenham estudado os Três Ensaios sobre a Teoria Sexual do Freud, ficará evidente que os chamados Transtornos Parafílicos constituem a estrutura da perversão. E, como sabemos, é relativamente incomum que um perverso procure fazer terapia.

Para o DSM-5 esta questão é colocada nos seguintes termos, o que representa uma grande mudança com relação ao seu predecessor, o DSM-IV:

“No DSM-5, as parafilias não são transtornos mentais ipso facto. Existe uma distinção entre parafilias e transtornos parafílicos. Um transtorno parafílico é uma parafilia que atualmente está causando sofrimento ou comprometimento ao indivíduo ou uma parafilia cuja satisfação implicou dano pessoal, ou risco de dano, a outras pessoas. Uma parafilia é uma condição necessária, mas não suficiente, para ter um transtorno parafílico, e uma parafillia por sí só não justifica ou requer automaticamente intervenção clínica” (DSM-5, p. 816).

Portanto, o que define se uma classe de comportamentos, sentimentos e pensamentos é ou não um transtorno mental é o sofrimento clinicamente significativo e/ ou a incapacitação acadêmica, profissional ou em outra área importante da vida. (Não esquecer o prejuízo ou dano que pode causar a outras pessoas como uma informação relevante).

Assim, uma pessoa pode ter todas as características para um Transtorno Mental, mas se não estiver em sofrimento, se não estiver com impactos negativos em uma das áreas de sua vida, não há a necessidade de se diagnosticar. O diagnóstico excessivo, deste modo, é um problema ético do clínico que está fazendo a avaliação. Em muitos e muitos casos, diagnosticar é não só desnecessário como prejudicial.

Por outro lado, esta lista enorme de transtornos que é o DSM-5 é útil para descrever certos tipos de sofrimento que poderiam passar como apenas características de personalidade. Um exemplo que cito para isto é a Fobia Social, que muitas vezes é confundida como timidez ou introversão e não diagnosticada acaba sendo um grande problema, como um transtorno de ansiedade, para muitas pessoas que deixam de fazer uma faculdade, deixam de ser promovidas no trabalho com medo de falar em público, além do sofrimento escondido por trás das outras interações sociais.

Quer saber mais?

Venha estudar conosco o DSM-5! 

Quero me inscrever e assistir a 22 Video-Aulas completas sobre o DSM-5 – Com 50% de desconto (Por tempo limitado)!

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Problemas de Relacionamentos ou Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913