Breve História

Segundo Veit e Carvalho (2010) desde o final do século XIX, pesquisadores vem tentando tratamentos mais eficazes contra o câncer. Nesse período foi desenvolvida a técnica de anestesia mas tinham dificuldades em localizar o tumor. Contudo, surgiu a radioterapia, como elemento paliativo.

Já no século XX, depois da Segunda Guerra Mundial, pesquisadores dão inicio ao tratamento farmacológico e medicamentoso do câncer. Com o passar dos anos técnicas, tratamentos farmacológicos, cirurgias vem ocasionando aumento de tempo de vida dos pacientes com câncer.

A formalização da Psico-Oncologia nasceu nos Estados Unidos, em um centro médico especializado em câncer, o Memorial Sloan Ketergin Hospital. Originou-se então a constatação que fatores psicológicos e comportamentais estavam envolvidos na etiologia do câncer.

Conceito

A psico-oncologia é a área que insere Psicologia e Oncologia, visando estudar as variáveis do comportamento e psicológica relacionadas ao processo de adoecimento e cura e as intervenções ao longo de todo ele. (VEIT; CARVALHO, 2010)

A importância da psico-oncologia é para que os pacientes que recebem a noticia de estar com câncer façam o tratamento. Se não fizerem, isto terá efeitos não só para  o paciente de forma negativa, mas para a família como um todo também. A atuação do Psicólogo é justificada pois evidenciou-se que adesão aos tratamentos está associada a fatores psicológicos e sociais.

No atendimento de indivíduos com alguma enfermidade crônica, tal como câncer, as funções do psicólogo devem: favorecer a adaptação dos limites, das mudanças impostos pela doença e da adesão ao tratamento; auxiliar no manejo da dor e do estresse associados à doença e aos procedimentos necessários; auxiliar na tomada de decisões; preparar o paciente para a realização de procedimentos invasivos dolorosos, e, enfrentamento de possíveis consequências dos mesmos; promover melhoria da qualidade de vida; auxiliar a aquisição de novas habilidades ou retomada de habilidades preexistentes; e revisão de valores para o retorno à vida profissional, familiar e social ou para o final da vida. (SCANNAVINO, 2013, p.37)

Referencia:

SCANNAVINO, Camila Saliba Soubhia et al. Psico-Oncologia: atuação do psicólogo no Hospital de Câncer de Barretos. Psicologia USP, v. 24, n. 1, p. 35-53, 2013.

VEIT, M.T.; CARVALHO, V.A. Psico-Oncologia: um novo olhar para o câncer. O munda da saúde, São Paulo: 2010:34.

Psicólogo (CRP 06/119079), Especialista em Psicanálise, Pós-graduado em RH, Palestrante e Consultor de Empresas. Visite meu site - Superando Desafios