Escrevo este texto a pedido de uma querida leitora, a qual me sugeriu o tema do lesbianismo. Entretanto, falarei em geral sobre a homossexualidade.

Falar de gays, lésbicas e simpatizantes é sempre um pouco complicado. Complicado porque muitas pessoas são preconceituosas. Imagine um pastor evangélico com a filha lésbica! Ou uma senhora católica com o filho gay!

Não é a toa que citei o preconceito religioso da homossexualidade.

A nossa tradição, a nossa história é grego-judaico-cristã. Evidentemente os romanos, ou latinos, também tem parte nela.

Os gregos deixaram o seu legado através da filosofia. Os judeus e os cristãos através da Bíblia de seus ritos e rituais. Interessante notar que o Novo Testamente foi escrito em grego…

Os gregos não eram preconceituosos com relação à relação homo-erótica, com as relações sexuais e amorosas entre pessoas do mesmo sexo. Dizem que Aristóteles iniciou sexualmente Alexandre, o Grande… ou seja, o amor entre homens era considerado por eles o amor mais sublime.

Entretanto, com o surgimento do Cristianismo, tudo isto é mudado. Toda relação que não seja especificamente voltada para a reprodução é tida como perversa ou como pecaminosa.

(Nesse sentido é que Freud falará que, se tudo o que não é voltado para a reprodução é perverso, um beijo na boca também é perverso).

Há, no Cristianismo, uma grande ênfase na castidade e no puritanismo. O puritanismo é muito presente nos Estados Unidos, onde por exemplo, a posição sexual conhecida como papai-mamãe é conhecida como a posição do missionário (missionary position).

Bem, voltando aos gregos, no diálogo de Platão conhecido como O Banquete, temos uma teoria muito interessante sobre o surgimento das tendências sexuais. Confira o Mito do Surgimento dos Sexos.

Em resumo, o mito diz que haviam antes 3 sexos: o sexo macho, o sexo fêmea e o sexo andrógino (literalmente em grego, homem-mulher). Como estes seres eram inteiros, eles eram muito fortes.

Certa vez, tentaram subir aos céus. Algo como o que foi tentado e descrito na Bíblia através do Mito da Torre de Babel.

Os deuses, liderados por Zeus, perceberam o que estava acontecendo e decidiram fazer algo. Depois de muito pensar, Zeus decidiu dividir cada um dos sexos em dois, em duas metades.

Assim, após o corte as metades de cada ser procuravam a cada metade que perdiam. No desenho 4, vemos que a metade homem buscava a outra metade homem. Neste caso, teríamos a homossexualidade masculina, os gays.

No desenho 5, vemos que a metade mulher buscava encontrar a sua outra metade, também mulher. Neste caso, teríamos a homossexualidade feminina, as lésbicas.

No desenho 6, vemos que a metade homem buscava encontrar a sua outra metade, que era mulher. Neste caso, teríamos a heterossexualidade, os casais heteros.

É deste modo que Aristófanes tentou explicar a tendência sexual de cada ser humano na atualidade.

Esta teoria apresenta-se como uma teoria que defende a origem da homossexualidade e da heterossexualidade como sendo biológicas. Ou seja, antes do nosso modo de ser, os corpos eram diferentes. Pela mudança que ocorreu, surgiram as diferenças, alguns seres buscam pessoas do mesmo sexo enquanto outros buscam pessoas do sexo oposto.

Outra teoria possível, é a que diz que a definição da tendência sexual não vem com o corpo mas sim através da vida de cada, da história de vida que cada um teve.

A teoria psicanalítica irá nesta direção. Entretanto, a decisão – ser gay ou não, ser lésbica ou não – não é propriamente uma decisão consciente. Envolve as relações de cada um em seu Complexo de Édipo.

Por exemplo, uma menina pode se identificar mais com o pai do que com a mãe. Neste caso, sua personalidade seria mais masculina do que feminina. Mas isto só será decisivo para o homossexualidade se o seu objeto de desejo foi como o do pai. Assim, ela será parecida com o pai e desejá o que o pai desejo, ou seja uma figura feminina.

Além disso, frustrações outras ao longo da vida podem mudar estas posições psíquicas. É o que é defendido no texto escrito por Freud, A psicogênese de um caso de homossexualismo em uma mulher.

A questão da homossexualidade é, como disse de início, muito complicada porque traz sempre à tona preconceitos, choques culturais e inter-pessoais.

Penso que a decisão recente que permite a união civil entre pessoas do mesmo sexo é correta por partir do princípio de que todos nós somos iguais perante a lei. Se somos iguais, porque tratar diferente alguns? No caso, os homossexuais?

Penso também que em muitos casos o sofrimento vivenciado interiormente, pelo preconceito social, pode ser indicativo da necessidade de realização de uma terapia com um psicólogo ou psicanalista.

Rever as posições tomadas, estar consciente de suas próprias questões é o que leva a se ultrapassar tudo.

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness e Pós-Doutorando (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade), fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online e Orientação Profissional Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913