“Nenhum ato de bondade é em vão” (Esopo)

Olá amigos!

Continuando o nosso Curso Grátis sobre a Psicologia Positiva, hoje vamos entender o conceito de bondade como uma das 24 forças do caráter. A bondade está incluída na virtude da humanidade, junto com o amor e a inteligência social.

Definição de Bondade para a Psicologia Positiva

O Via Institute on Character, resume a bondade em seu teste do seguinte modo:

“Inclui generosidade, nutrição (não no sentido de alimentação), cuidado, compaixão, amor altruísta, delicadeza.Esta força de caráter descreve a tendência dominante de ser bom para outras pessoas – de ser misericordioso e interessado em seu bem-estar, de fazer favores, praticar boas ações e de cuidar dos outros. Bondade e amor altruísta requerem o reconhecimento de uma humanidade comum na qual o outro é digno de atenção e afirmação por nenhuma razão utilitária mas por sua própria causa.

Frases típicas:

Os outros são tão importantes quanto eu.

Todos os seres humanos têm o mesmo valor.

Dar é mais importante que receber.

Eu não sou o centro do universo, faço parte de uma humanidade comum”.

Este é um pequeno resumo retirado do livro de Seligman & Peterson, Character Strenghts and Virtues – ainda sem tradução para o português.

Em inglês, a palavra bondade é kindness. Os autores também mencionam generosidade, cuidado, compaixão e amor altruísta e ser bondoso (niceness).

Critérios do conceito de bondade

1) Realização

A bondade faz com que nos sintamos realizados. Aprendemos que fazer o bem é bom desde pequenos, mas só interiorizamos a força de caráter da bondade ao sentir, profundamente, que estamos sendo benéficos para uma outra pessoa ao nos comportarmos dessa maneira.

Por exemplo, ajudar uma pessoa a atravessar a rua ou doar alimento ou roupas, estamos agindo a partir da bondade. Após o ato, nos sentimos realizados.

2) Moralidade

Embora uma definição de moral ou moralidade pudesse nos levar longe demais em um debate filosófico e/ou teológico, é fácil de entender que a bondade envolve a moralidade. Afinal, estamos falando de bem versus mal. Seligman traz a ideia de São Paulo, de caritas, para ajudar a conceitualizar o termo.

3) Não diminuição dos outros

Sabemos que há o complexo de inferioridade (e superioridade). Uma das características da bondade é a superação deste complexo ou a sua não ativação. Quando nós somos bondosos com alguém (kind), ou quando nós vemos um ato de bondade, existe um efeito contagioso. Em outras palavras, não nos sentimos diminuídos, mas sim queremos contribuir.

4) Conceito oposto

Para os autores da psicologia positiva, o oposto de bondade é egoísmo (selfishness), mesquinhez (stinginess) e maldade (ou ruindade – mean-spiritedness).

5) Comportamento ou traço de caráter

Existe frequentemente o debate se estamos falando de um comportamento pontual, que ocorre devido a certas circunstâncias ou se há a estabilidade ao longo do tempo, ou seja, corresponde a um traço de caráter. De acordo com as pesquisas da psicologia social, embora fatores externos possam aumentar a bondade (como uma catástrofe natural), devemos entender a bondade como um traço de caráter relativamente estável ao longo dos anos. É até possível medir o grau de altruísmo de uma pessoa com testes psicológicos destinados a este fim.

6) Exemplos de bondade

Ao longo da história, notamos muitos exemplos de pessoas bondosas. Dentro das tradições religiosas, são exaltados e exaltadas como santos, mártires, grandes almas (Mahatma), etc.

Talvez o exemplo paradigmático, de acordo com Seligman, seja Francisco de Assis, cuja bondade não se limitou aos seus compatriotas como incluiu também os animais e é tido por muitos como o primeiro ecologista.

7) Prodígios

Seligman menciona que a bondade pode ser notada, em muitos casos, desde cedo:

Prodígios de bondade são facilmente identificáveis. Nós todos conhecemos exemplos de crianças com preciosa generosidade que realizam pequenos mas tocantes atos de bondade – com dar seus brinquedos para crianças menos afortunadas, coletando donativos, cuidando de gatos e cachorros de rua” (SELIGMAN, p. 298).

8) Instituições e rituais

Muitas instituições contribuem para o desenvolvimento da generosidade e da bondade. Por exemplo, quando as empresas incentivam os seus funcionários a terem trabalhos voluntários em seu currículo como um ponto a favor na hora da contratação, estão valorizando o desprendimento e o altruísmo.

Mas, evidentemente, há um grande papel no incentivo da bondade nas religiões institucionalizadas e, igualmente, nas Organizações Não Governamentais.

Conclusão

Um dos grandes objetivos da psicologia positiva é estudar os estados ótimos do ser humano. Ao criarem a lista com as 24 forças de caráter, incluindo nela a bondade, os autores certamente levaram em conta o fato de que a bondade contribui com a felicidade e o bem estar.

Entretanto, é importante notar que estamos falando aqui da bondade genuína, a bondade desenvolvida e mantida por motivações intrínsecas e não para atingir um fim egoísta (como fazer caridade para colocar no currículo para conseguir um emprego, apenas).

Dúvidas, sugestões, comentários, por favor, escrevam abaixo!

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness e Pós-Doutorando (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade), fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online e Orientação Profissional Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913