Devo escolher a formação em psicologia ou em psicanálise? Como é o cada uma das formações? Descubra as diferenças e semelhanças e também saiba como são os atendimentos de cada uma.

Olá amigos!

Uma dúvida comum aqui no site é sobre as diferenças nos dois cursos de formação. Ou seja, as pessoas frequentemente me perguntam se é melhor fazer a graduação em psicologia ou se é mais interessante fazer um curso de formação em psicanálise. Este texto é destinado a quem está pensando de estudar uma das duas disciplinas. Se você está querendo saber qual é melhor para ter um atendimento clínico, este texto também pode ser útil, na medida em que falaremos sobre as técnicas de uma e outra forma de atuação.

Veja também o vídeo que fiz, no final deste texto!

A graduação em psicologia

Bem, a graduação em psicologia tem duração de 4 a 5 anos, dependendo do número de matérias que são feitas a cada semestre. Psicologia é o estudo da psique. Psique, em grego, significa alma. Na nossa tradição ocidental, a palavra alma expressa o que não pode ser observado diretamente pelas outras pessoas, os nossos pensamentos, sentimentos e sensações.

Como no começo da história da psicologia moderna, no final do século XIX, Wundt passou a estudar as associações mentais e as sensações corporais, psicofísicas, através de estudos sistemáticos em laboratório, a palavra psychologie (psicologia, em alemão) pareceu correta.

Nas décadas seguintes, os métodos da escola de Wundt foram criticados nos EUA. O método de introspecção não parecia fidedigno e, a partir dos trabalhos de Pavlov, Watson redefiniu o que deveria ser estudado na psicologia: o comportamento.

Assim, resumidamente, podemos ver desde o início que a psicologia possui várias correntes ou abordagens. E, atualmente, a definição mais simples e fácil de entender é que a psicologia é o estudo científico dos pensamentos sentimentos, sensações e do comportamento humano.

Na medida em que o objeto da psicologia é complexo e toca áreas afins, na faculdade estudamos desde a anatomia e neuroanatomia, passando pela fisiologia e farmacologia, até os estudos culturais da antropologia, a sociologia, teorias da administração, ideias da filosofia sobre o que é ciência (epistemologia), lógica, etc.

Ou seja, é um campo extremamente vasto que, portanto, toca outros ramos do conhecimento. Além disso, ao longo do século XX, foram elaboradas diversas teorias diferentes para explicar a psique. Temos a psicologia clássica, a psicofisiologia, a psicologia da Gestalt, a psicologia comportamental, o behaviorismo radical de Skinner, a psicologia humanista, a psicologia existencial-fenomenológica, a psicologia transpessoal, a psicologia positiva. Isto só para citar algumas das principais linhas.

E, não menos importante, durante a faculdade de psicologia estudamos a psicanálise de Freud.

A psicanálise de Freud

Perto da época em que Wundt – o pai da psicologia – estava criando o seu primeiro laboratório, Freud estava começando a sua prática clínica com Breuer. Médico e especializado em neurologia, Freud começou a atender casos de neurose, de histeria. Inicialmente, fez uso da hipnose e desenvolveu o que chamou de método catártico.

Vendo que os efeitos da hipnose não eram duradouros (e que em alguns casos não conseguia hipnotizar), Freud abandona a utilização da hipnose e passa a usar o que chamou de associação livre. Nesta, o paciente deita-se no divã e associa as ideias que lhe surgirem à mente, deixando de lado toda e qualquer crítica, ou seja, os pensamentos e ideias devem ser comunicados ao psicanalista independentemente de serem bobos, ridículos, estranhos ou embaraços.

diva

O psicanalista, por sua vez, interpreta o que o paciente diz, ao mesmo tempo em que frequentemente orienta para que este continue associando, livre-se das suas resistências e críticas.

A partir do método de associação livre, Freud e seus colaboradores conseguirem coletar um imenso material empírico sobre o funcionamento da psique (consciente e inconsciente). Embora o seu trabalho não tenha sido realizado em um laboratório e com as técnicas do que é considerado uma ciência positiva, o material a que eles chegaram deu suporte para a criação, formulação e reformulação da psicanálise ao longo das primeiras décadas do século XX.

Para se ter uma ideia, as Obras Completas de Freud contam com 23 volumes. E como Freud era um pensador brilhante, ele não tinha medo de defender a sua opinião e, talvez, um dois anos depois refutar o que tinha dito, completar o que tinha ficado faltando ou alterar completamente o seu ponto de vista. Daí vem a complexidade da psicanálise.

Psicologia e/ou psicanálise

Como estava dizendo, durante a graduação em psicologia também estudamos psicanálise. Isto porque a psicanálise foi uma das mais importantes correntes do pensamento no século XX, tendo influenciado virtualmente todas as ciências humanas e a filosofia. Além de ter se mostrado um importante centro de técnicas psicoterapêuticas para o consultório do psicólogo ou médico psiquiatra.

Então, para responder a questão deste texto – psicanálise ou psicologia – devemos entender que durante a graduação em psicologia estudamos psicanálise. Um aluno de psicologia pode adotar a psicanálise como a sua linha de trabalho ou pode adotar uma outra perspectiva teórica como a psicologia comportamental, cognitiva ou humanista (só para citar algumas).

E como podemos fazer para ser um psicanalista? Bem, existem diversos cursos no Brasil que dizem formar psicanalistas, desde os mais breves até a formação completa ligada os Institutos Internacionais de Psicanálise. Se você quiser saber mais sobre a formação em psicanálise, veja este texto – Melhores Cursos de Psicanálise (nele explico detalhadamente como se dá a formação).

Mas como devemos responder à pergunta: psicologia ou psicanálise?

Bem, se você está pensando de ter uma formação para ter um consultório e poder ajudar as pessoas com as suas dificuldades, tanto uma quanto outra formação podem ser interessantes. A única questão que gostaria de deixar clara é que não é um estudo simples, rápido e fácil.

Lidar com as diferenças individuais é bastante complicado e entender o que se passa na psique de alguém não é para qualquer um. (Basta vermos os trabalhos que envolvem lidar com o público para logo sabermos das dificuldades inerentes).

Assim, se você quer se formar em um cursinho simples, barato e que vai te dar um diploma – certamente não válido pelos Institutos Internacionais – abrir um consultório e atender, boa sorte.

Lembre-se que só a obra de Freud tem 23 volumes. Isto sem contar os autores pós-freudianos. Lacan, por exemplo, tem 26 livros só de Seminários, sem contar os outros escritos…

Portanto, como disse, não é rápido, simples e fácil de entender. Se você quer ser um péssimo profissional, encontre estes cursos de curta duração. Você aprenderá pouco e atenderá mal.

Agora, se você tem realmente interesse em ajudar, eu sugiro que você siga o caminho mais longo. Todos os estudos apontam que para você dominar um saber, você precisa de 10 anos. E, pelo fato de que uma formação completa em psicanálise exige a graduação em psicologia ou medicina, (alguns também possibilitam a graduação em outras faculdades como história, filosofia, etc), você tem que ter em mente que levará um tempo para completar os seus estudos e só então começar a atender.

De forma que se fosse responder, resumidamente à pergunta, eu diria: forme-se primeiro em psicologia ou medicina (áreas afins podem ser aceitas). Depois, especialize-se em psicanálise. Caso não goste da psicanálise ou discorde de seus métodos, técnicas e teorias, você poderá se especializar em outras abordagens.

Em última análise, como profissionais que atendem em consultório, estamos lidando com a vida das pessoas. Do mesmo modo que você não iria em um médico que tivesse estudado 18 meses, você não deve ser um psicanalista que estudou 1 ano e meio, certo?

E, finalmente, se você está lendo este texto para saber se deve escolher entre um profissional da psicologia ou da psicanálise para lhe ajudar, digo que a psicanálise é geralmente indicada para quem deseja se aprofundar no conhecimento de si mesmo. Evidente que a psicanálise pode curar fobias, neuroses, compulsões. Entretanto, para fazê-lo, o sujeito deverá passar por um processo geralmente longo de atendimentos (1 ano ou mais).

Já a psicologia – em suas mais variadas linhas de atuação – também possui tratamentos mais diretivos e específicos para certos transtornos. Por exemplo, a psicologia cognitiva é reconhecidamente eficaz para o tratamento da depressão em sessões direcionadas para este objetivo. Outro exemplo é o da psicologia comportamental que visa modificar comportamentos específicos, como conseguir falar em público ou ser mais constante nos estudos.

Dúvidas, críticas, sugestões e comentários (desde que educados) serão bem vindos!

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Problemas de Relacionamentos ou Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913