Aula introdutória em Vídeo HD, de 15 minutos, sobre o livro de Freud “Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade”, publicado em 1905 e reformulado até 1925

Olá amigos!

É difícil encontrar quem nunca tenha ouvido falar de Sigmund Freud. O famoso dizer “Freud explica” significa que Freud é considerado um autor que procurou explicar tudo, desde os sonhos, fantasias, devaneios, dificuldades de relacionamento, atos falhos e a sexualidade. Mas, apesar de ser um autor muito citado em jornais, revistas, na TV e em filmes e séries, sua obra é muito vasta, com 23 volumes, e complexa.

E, para começarmos a estudar a psicanálise temos que entender dois conceitos fundamentais: o inconsciente e a sexualidade.

A sexualidade para Freud

Muitas pessoas, inclusive estudantes de psicologia dos primeiros anos, criticam as teorias de Freud porque elas sempre retornam à sexualidade. Embora esta possa ser uma crítica relativamente válida, ainda assim precisamos ter clareza sobre o conceito de sexualidade na obra de Freud.

Em primeiro lugar, é importante deixar claro – de uma vez por todas – que a sexualidade para Freud não se resume ao ato sexual e quando Freud diz que muitas das questões dos pacientes tem relação com a sexualidade, ele não está querendo dizer que o problema é do desempenho sexual, como ejaculação precoce, impotência ou frigidez.

Para começarmos a entender o conceito, nós temos então que passar a entender que ele não se resume ao ato sexual e é muito mais amplo, incluindo o erotismo, o prazer autoerótico, o desejo por uma outra pessoa e até o apaixonar-se e o que falamos geralmente como sendo amor.

Este é o primeiro ponto.

O segundo é que, como Freud tem uma vasta obra, o conceito de sexualidade e a sua importância na psique individual foi sendo reformulado desde 1905 (quando os Três Ensaios foram publicados pela primeira vez) até o final das publicações e, especialmente a partir de 1920, com a introdução da pulsão de morte, a sexualidade é reinserida em uma outra problemática, no conceito de pulsão de vida.

Mas desde os Três Ensaios que as suas formulações teóricas são bastante diferentes do que se pensa no senso comum. Diz Freud:

“A concepção geral é de que ela [a sexualidade] não existe na infância; que se manifesta por ocasião da puberdade, em conexão com o processo de maturação, revelando-se como a atração irresistível exercida por um sexo sobre outro; quanto ao seu objetivo, supõe-se que seja a união sexual, ou em todo caso atos que conduzem a esta finalidade. Temos, contudo, razões para crer que estas opiniões dão uma ideia extremamente errônea da verdadeira situação”.

Deste modo, Freud acabou sendo muito criticado e incompreendido pela ideia de uma sexualidade infantil. No desenvolvimento psíquico, cada criança passa por certas fases aonde o prazer estaria localizado em uma parte do corpo: pele, boca, ânus, genitais. Este prazer explica as perversões sexuais e também explica os sintomas neuróticos, fruto do conflito entre a pulsão sexual e a pulsão de autoconservação (neste período da obra).

Veja abaixo o conteúdo dos Capítulos dos Três Ensaios e a seguir o vídeo introdutório de 15 minutos, do nosso Curso Completo!

Capítulos dos Três Ensaios sobre a Teoria Sexual

Mas voltando aos Três Ensaios, o livro é divido, conforme o título, em três partes:

Ensaio 1 – AS ABERRAÇÕES SEXUAIS 

(1) Desvios com Respeito ao Objeto Sexual 
(A) A Inversão 
(B) Animais e Pessoas Sexualmente Imaturas como Objetos Sexuais 
(2) Desvios com Respeito ao Alvo Sexual 
(A) Transgressões Anatômicas 
(B) Fixações de Alvos Sexuais Provisórios 
(3) Considerações Gerais sobre as Perversões 
(4) A Pulsão Sexual nos Neuróticos 
(5) Pulsões Parciais e Zonas Erógenas 
(6) Esclarecimentos sobre a Aparente Preponderância da Sexualidade Perversa nas Psiconeuroses 
(7) Indicação do Infantilismo na Sexualidade 


Ensaio 2 – A SEXUALIDADE INFANTIL 

1 O Período de Latência Sexual da Infância e suas Rupturas 
2 As Manifestações da Sexualidade Infantil 
3 O Alvo Sexual da Sexualidade Infantil 
4 As Manifestações Sexuais Masturbatórias 
5 A Investigação Sexual Infantil 
6 As Fases de Desenvolvimento da Organização Sexual 
7 As Fontes da Sexualidade Infantil 


Ensaio 3-AS TRANSFORMAÇÕES DA PUBERDADE 

1 O Primado das Zonas Genitais e o Pré-prazer 
2 O Problema da Excitação Sexual 
3 A Teoria da Libido 
4 Diferenciação entre o Homem e a Mulher 
5 O Encontro do Objeto 

1 Parte do 1° Vídeo do nosso Curso em sobre os 3 Ensaios

Conclusão

Como vimos, a sexualidade para Freud não se resume ao ato sexual, nem está localizada apenas a partir da puberdade. Neste sentido, o conceito de Freud de sexualidade é muito mais amplo e engloba o desenvolvimento da personalidade da criança, desde a mais tenra infância. Atos que não são considerados como sexuais são incluídos na ideia de sexualidade infantil como o contato com o próprio corpo, o prazer de sucção (fase oral), o prazer da pele, etc.

Estudaremos todos estes pontos no nosso Curso Três Ensaios sobre a Sexualidade – Inscreva-se agora mesmo! (Ainda temos algumas últimas vagas disponíveis!)

Psicólogo Clínico e Online (CRP 04/25443), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Vídeos e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade). E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - [email protected] - (12) 3042-0336 - Whatsapp (35) 99167-3191 - Snapchat: psicologiamsn