Olá amigos!

Um fato curioso que eu já observava há muito tempo em filmes era que quase todos eles tinham um vilão. Especialmente os filmes de Hollywood, mais fáceis de assistir, sempre apresentam o herói ou a heroína (protagonista) e o vilão ou vilã. Em alguns filmes isto é óbvio e já vemos logo quem é quem. Em outros, a relação pode ser mais intrincada e o personagem que aparece para criar suspense e conflito aparece no meio da narrativa.

conflito-historias

Se em nossa vida particular, no nosso cotidiano, nós temos a grande tendência de evitar conflitos, nas histórias os conflitos são essenciais, pois é através deles que há movimento, mudança, transformação. Uma história sem conflito assim como uma história sem detalhes específicos (ver Lição anterior) é uma história desinteressante.

Evidentemente, a presença do conflito não acontece apenas nos filmes. Também encontra-se presente em romances, contos de fada, mitos e em toda narrativa que pode ser considerada de qualidade.

Imagine Romeu e Julieta em uma nova versão em que tudo dá certo e eles não tem o grande conflito entre suas famílias. Poderia ser até mais desejável, mas nós, como leitores, queremos que o conflito esteja lá para que possamos sentir as dificuldades enfrentadas pelos personagens, como no famoso conceito de catarse.

Se pegarmos o tema do Romeu e Julieta, veremos que toda comédia romântica, no cinema, quer seja excelente quer seja por demais açucarada, tem uma estrutura que é basicamente esta: o casal se conhece – há um conflito por algum motivo – o casal se reconcilia. E o que aconteceria se tirássemos o conflito. Absolutamente nada, pois não teríamos uma história para contar.

O que significa o conflito em uma história?

Conflito vem, etimologicamente, de conflictuconfligereFligere significa lutar, bater. Conflito é, portanto, lutar com algo ou com alguém. Porém, apesar de utilizarmos esta palavra aqui no nosso Curso de Contação de História, isto não significa que toda e qualquer história terá que ter cenas violentas, brigas, discussões.

A ideia do conflito em uma história vai muito mais na direção de um impasse, de uma dificuldade, de um problema que tem que ser resolvido. Em alguns casos, podemos pensar no conflito como a luta do personagem principal para lidar com um inimigo ou inimiga.

Por exemplo, no famoso filme O Diabo veste Padra, vemos como a protagonista vivida nas telas pela Anne Hathaway tem que lidar com a sua chefe, vivida por Meryl Streep. O conflito entre as duas e o conflito entre as perspectivas da personagem da Anne entre ser ela mesma e ser o que os outros esperam dela (a metáfora de estar na moda) é o que move toda a trama. 

Conflito, portanto, não quer dizer uma gerra, literalmente falando. Conflito, em uma narrativa, é o que podemos chamar de a luta dos opostos, a luta entre duas perspectivas díspares.

Steve Jobs, um dos criadores da Apple, é conhecido por sua habilidade de criar apresentações persuasivas. No livro Presentation Secrets of Steve Jobs, podemos ler uma ideia bastante curiosa sobre como, em cada apresentação, ele elaborava uma narrativa, cujo centro era a criação de um conflito com um inimigo ou problema e, posteriormente, dava a resolução para o problema. 

Sei que este exemplo pode parecer extrapolar o nosso Curso, mas é um exemplo fantástico para a ideia de um conflito. Por exemplo, no lançamento do Ipad 1, ele claramente coloca a situação:

Já tínhamos os notebooks (telas grandes) e o Iphone (tela pequena). Será que seria possível encontrar uma tela entre os dois dispositivos? Ele cita a tentativa dos netbooks. Porém, os netbooks eram muito ruins em todos os aspectos, como um notebook péssimo. O inimigo, então, seria os netbooks por apresentarem uma solução insatisfatória.

Entretanto, o suspense foi criado. Será que seria possível criar algo entre um notebook e um Iphone? E, depois de vários suspenses, ele apresenta o Ipad, na época uma grande inovação.

Me lembrei desse exemplo, porque no livro Presentation Secrets of Steve Jobs, o autor, Carmine Gallo, coloca que Steve Jobs sempre tinha um inimigo contra o qual lutar e a partir do qual criar suas apresentações. Às vezes era a IBM, às vezes era a Microsoft e às vezes era um produto específico como o caso dos netbooks. 

Utilizando a ideia de um inimigo, de algo contra o qual lutar, ele conseguia criar história cativantes para quem o estava ouvindo.

Tipos de Conflito em narrativas

Podemos encontrar diversos exemplos de conflitos em filmes, séries, romances, contos de fadas e mitos. Mas existem alguns que aparecem com mais frequência:

1) Conflito entre protagonista e antagonista: é o conflito mais comum e mais fácil de perceber. Basicamente, é o conflito entre o bom e o mau, entre a boa moça e a vilã, entre o Chapeuzinho Vermelho e o Lobo Mau.

2) Conflito entre o que se acredita ser verdade e a verdade: é um tipo de conflito mais psicológico, mais subjetivo, mais interno. Neste caso, a descoberta da verdade e o suspense que leva até a descoberta é o que conduz o enredo. Exemplos são os filmes e romances policiais, nos quais a descoberta da verdade (o assassino ou culpado) é barrada constantemente pelo que se pensa que é a verdade até que se descubra a verdade, de fato.

3) Conflito entre o querer e a realidade: a narrativa é construída a partir do desejo, da vontade, da esperança e expectativa do protagonista que luta (conflito) com a realidade que está a sua frente. Por exemplo, uma história sobre um sujeito que quer ser um grande cirurgião plástico mas não tem dinheiro suficiente para estudar. Também são comuns as histórias que tratam da diferença entre o que o personagem quer e o que os outros esperam que o personagem queira. Romeu e Julieta também se enquadraria aqui.

4) Conflitos entre o querer e o não querer: neste tipo de história, o personagem possui um grande conflito interno entre uma parte de si que deseja algo e uma parte de si que não deseja ou teme as consequências. Outra possibilidade é o conflito entre o medo e o desejo de realizar.

Conclusão e Perguntas

A fim de criar ou contar uma boa história, você deve estar consciente dos conflitos que movem a narrativa. Perguntas como as seguintes podem te ajudar a aclarar os suspenses e os conflitos:

– Qual é a conflito específico entre isto e aquilo que realmente é importante?

– O seu leitor ou ouvinte consegue perceber qual é o conflito principal? Os conflitos não precisam ser necessariamente abertos e expostos, mas se forem escondidos, há a necessidade de dar dicas ou pistas para que se possa perceber.

– O conflito força o personagem a mudar ou buscar a mudança?

A partir de agora, você também poderá passar a perceber – como eu – que toda boa história apresenta um conflito, um problema, uma dificuldade a ser enfrentada, talvez vencida e que quase toda história tem um antagonista, um vilão ou vilã, um inimigo a ser combatido ou conquistado.

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness e Pós-Doutorando (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade), fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online e Orientação Profissional Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913