Um dos conceitos mais fundamentais da Psicologia Cognitiva é o conceito de crença. De acordo com Beck e colaboradores “Crenças são estruturas cognitivas relativamente rígidas, duradouras, que não são facilmente modificadas pela experiência. A psicologia cognitiva defende a tese de que as crenças possuem um profundo impacto nos sentimentos e comportamentos” (Beck et al. P. 292).

Sobre os transtornos por uso de substância – conforme a nomenclatura do atual DSM-5 – ou simplesmente dependência química, as abordagens da psicologia elaboraram várias teorias sobre as suas causas e a razão de serem tão prevalentes na população em geral e terem altos índices de recaída.

O caminho teórico da psicologia cognitiva vai, portanto, especialmente na busca das crenças que mantém o comportamento de consumo, seja de tabaco, álcool, maconha, cocaína, crack ou outros tipos de substâncias.

Crenças na Dependência Química

Conforme descrito no texto de ontem, a crença de não ser amável ou ser incapaz, “no centro do problema da dependência do indivíduo está um grupo de crenças que parecem ser derivadas de crenças tais como ‘eu não sou digno de amor’, ou ‘eu sou vulnerável’” (Beck et al. P. 292).

Em resumo, o criador da Psicologia Cognitiva e colegas escrevem sobre as crenças no transtorno por uso de substâncias:

“Estas crenças centrais interagem com os estressores da vida para produzir ansiedade excessiva, disforia ou raiva. Estas situações ou estímulos estressantes não diretamente ‘causam’ fissura, mas ativam crenças relacionadas à droga que levam à fissura. Embora usemos o termo ‘situação que estimula’, deve ser notado que a situação ela mesma é neutra. O significado, derivado das crenças, que são vinculados à situação é o que causa a fissura do indivíduo.

Indivíduos com a crença de que não podem tolerar a ansiedade, disforia, frustração, por exemplo, tenderão a ser hiperatentos a estas sensações e podem vir a criar expectativas de que podem aliviar as sensações apenas através do uso ou da bebida. Então, quando o afeto desagradável surge, o indivíduo tenta neturalizá-lo usando ou bebendo” (Beck et al. P. 24).

4 Tipos de Crenças na Dependência Química

Em síntese, encontramos 4 tipos de crenças: antecipatórias, orientadas-ao-alívio, crenças permissivas e crenças imperativas.

As crenças antecipatórias se referem às crenças de que o uso da substância – seja ela qual for – trará algum tipo de benefício, recompensa ou prazer, de modo que há a expectativa de usar e sentir certo tipo de sensação. Por exemplo, a pessoa pensa: “A festa hoje à noite vai ser ótima. Eu não posso esperar para ir lá e beber!”

As crenças orientadas ao alívio relacionam-se à ideia de que o uso vai eliminar um estado desagradável. Uma pessoa que se sente ansiosa em um contexto de grupo (talvez na mesma festa) pode fazer uso para ter alívio do desconforto das sensações de ansiedade.

Também é muito comum que o uso seja feito a partir de outros afetos negativos, como para aliviar a tristeza ou raiva. Surgem pensamentos a partir das crenças como “Eu não posso suportar o isolamento. Eu preciso de um tiro (cocaína)” ou “Hoje o dia está horrível, vou tomar uma para melhorar” ou “Tô estressado… vou acender um cigarro para me acalmar”.

As crenças orientadas ao alívio também podem estar ligadas ao alívio da fissura, criando pensamentos de que a fissura é incontrolável e de que não há jeito de superá-la a não ser consumindo.

As crenças permissivas são aquelas que defendem a ideia de que não dá nada usar ou de que só uma vez – ou só mais essa vez – não haverá nenhum problema ou de que outras pessoas podem ter problemas, mas não “eu”.

Segundo Beck: “Crenças permissivas também tem em comum com o que é conhecido como ‘racionalizações. Os pacientes têm pensamentos que parecem ‘justificar’ o uso de drogas, tais como ‘eu tenho que usar cocaína ou eu não vou ser capaz de concentrar no trabalho’. Tais pensamentos são equivalentes à auto decepção” (Beck et al. P. 292).

E finalmente, existem as crenças imperativas, que consistem em planos ou estratégias para a obtenção da substância, por exemplo, emprestar dinheiro de alguém para poder comprar ou juntar-se a um grupo com fácil acesso.

Ambiguidade de crenças

“Muitos indivíduos possuem crenças conflitivas relacionadas com os prós e contras de usar. Em alguns momentos estão tão fechados na luta desagradável entre as crenças opostas que, paradoxalmente, eles podem vir a buscar drogas apenas para aliviar a tensão gerada pelo conflito” (Beck et al. P. 293).

Em outras palavras, com o tempo as consequências do uso frequente começam a aparecer, com efeitos em algumas ou todas as áreas da vida do indivíduo: familiar, profissional, acadêmica, afetiva, etc. Sentindo os prejuízos, inclusive físicos do uso, crenças alternativas de que usar uma determinada substância não traz benefício podem começar a aparecer, embora ainda não com a força para levar à busca de um tratamento ou pedir ajuda. A ambivalência entre usar e não usar, paradoxalmente, pode gerar tensão a ponto de que nova busca por alívio aconteça.

Nos tratamentos baseados na psicologia cognitiva, o terapeuta procurará ajudar na modificação destes 4 tipos de crenças que aparecem com frequência no transtorno por uso de substâncias.

Crenças alternativas, como crenças de controle do uso, e a aprendizagem de não evitação de situações desagradáveis, de exposição à sensações desconfortáveis como a fissura e de gatilhos para pensamentos automáticos trazem maior consciência para a mudança e ajudam na remissão dos sintomas e na prevenção de recaídas.

Referência Bibliográfica
Beck et al. (1993) – Cognitive Therapy of Substance Abuse

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), Mestre (UFSJ), Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness e Pós-Doutorando (Unifesp), Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma sessão de Coaching Online via Skype, Relacionamentos ou Carreira (faculdade), fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online e Orientação Profissional Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913