Autoestima é estimar a si mesmo, gostar de si mesmo, se valorizar. Muitos estudos mostram uma correlação entre sucesso profissional e autoestima. Isso levou nos Estados Unidos a uma busca intensa de entender o que faz uma criança, um adolescente, um adulto a ter e manter a estima por si mesmo. A lógica era: se a autoestima traz sucesso, como aumentá-la para que todos a tenham e tenhamos um país de sucesso?

Existem duas questões que tornam problemática essa busca: primeiro, pesquisas de correlação não são pesquisas de causa e efeito. O fato de alguém bem sucedido em sua carreira ter autoestima não quer necessariamente dizer que foi a autoestima que causou o sucesso. Outros fatores podem mediador o processo, ou seja, podemos vir a encontrar causas que não tem nada a ver com se estimar.

Outro problema é que a busca de incentivar a autoestima desde a infância pode trazer uma compreensão equivocada sobre o que é preciso para gostar de si mesmo. Muitas pessoas entendem que para se valorizar é preciso desvalorizar os outros. Na base desse erro de pensamento está a comparação: “eu só posso gostar de mim se eu realizar X ou Y, ou se eu tiver um corpo perfeito, ou ser inteligente, ou ter muitos amigos, etc. Fulano(a) tem mais que eu. Portanto, eu não presto”.

A comparação social, sabemos através da psicologia positiva, é responsável pela diminuição da felicidade. Se você quer ser mais feliz na vida, pare de se comparar!

Se a autoestima não estiver associada com comparação com os outros, ela pode ser muito benéfica. A única pessoa que com certeza vai nos acompanhar a vida inteira é o eu. Se eu penso bem de mim, vejo o que eu tenho de bom, meus talentos, minhas capacidades, eu terei uma boa companhia para o resto da vida.

Autoconfiança e auto-eficácia

Autoconfiança é confiar em si. Na prática tem relação com confiar que podemos fazer uma determinada atividade. Nesse sentido, auto-eficácia e autoconfiança são uma coisa só.

Talvez você não conheça o termo auto-eficácia e conheça o termo autoconfiança. Auto eficácia (Self-efficacy) é comprovadamente o componente mais importante para a melhora em psicoterapia (e outros tipos de terapia também). Auto-eficácia é: “Está difícil agora. Está difícil fazer, passar por isso. Mas eu sei que eu posso superar isso. Eu sou capaz”.

Em momentos de dificuldade ou em momentos mais tranquilos, a auto-eficácia é como uma força que permite a cada um realizar, fazer, superar, ir adiante. Na psicoterapia, é acreditar que é possível melhorar e se esforçar para que a mudança ocorra.

Autocompaixão

A autocompaixão vem sendo cada vez mais estudada nos últimos anos na psicologia. A definição de Kristin Neff, criadora do programa Self Compassion (Autocompaixão), é de que nesta nós encontramos três componentes: humanidade compartilhada, Mindfulness e autogentileza. Humanidade compartilhada é a compreensão de que somos seres humanos e, apesar das enormes diferenças individuais, temos muito que compartilhamos com as outras pessoas (inclusive sofrimentos parecidos). Mindfulness é atenção plena ao momento, perceber como estamos e cuidar de nós mesmos (autogentileza).

Neff, que é uma das maiores especialistas em autocompaixão, muitas vezes crítica a ênfase norte-americana da busca pela autoestima, especialmente pela comparação social e por correr atrás de ser “alguém na vida”. Suas pesquisas mostram que ser gentil consigo mesmo é ótimo para aumentar a produtividade e realizar mais.

Por exemplo, se eu estou em um projeto de trabalho ou estudo, se eu erro alguma coisa ou se eu me sinto desmotivado um dia, me criticar, “me bater”, não vai ajudar em nada, ao contrário do que muita gente pensa. Muito melhor seria me tratar com gentileza – como eu trataria um amigo em situação semelhante.

Portanto, existem evidências que a autocompaixão gera perseverança e a perseverança é muito importante para ir mais longe.

Conclusão

Como vemos, os três termos possuem certa relação entre si. Se criarmos autoestima sem comparação social e sem a necessidade de ficar em um patamar elevado para só então gostar de si mesmo, a autoestima pode ser muito positiva e até estará ligada à autocompaixão. Uma verdadeira autoestima traz autogentiza, esse carinho comigo mesmo, e a não comparação significa que cada um tem a sua individualidade e que no fundo somos seres humanos com suas imperfeições.

Por sua vez, a autocompaixão e a auto eficácia se relacionam pelo fato de a autocompaixão aumentar a perseverança. E a auto eficácia também está relacionada à autoestima pois se eu me valorizo eu aumento as chances de pensar que eu consigo.

Dúvidas, sugestões, críticas, deixe um comentário.

Psicólogo Clínico e Online (CRP 06/145929), formado há 14 anos, Mestre (UFSJ) e Doutor (UFJF), Instrutor de Mindfulness, Coach e Presidente do Instituto Felipe de Souza. Como Professor no site Psicologia MSN venho ministrando dezenas de Cursos de Psicologia, através de textos e Vídeos em HD. Faça como centenas de alunos e aprenda psicologia através de Cursos em Vídeo e Ebooks! Loja de Vídeos e Ebooks. Você pode também agendar uma Sessão Online via Skype, Problemas de Relacionamentos ou Orientação Profissional e Coaching de Carreira , fazer o Programa de 8 Semanas de Mindfulness Online. E não se esqueça de se inscrever em nosso Canal no Youtube! e Instagram! Email - [email protected] - Agendar - Whatsapp (11) 9 8415-6913